Educação bilíngue de surdos: uma proposta de implementação na rede municipal de educação de Juiz de Fora / MG

Autores

  • Ana Paula Xavier UFF
  • Gabriel Pigozzo Tanus Cherp Martins UFF
  • Cláudia Mara Lara Melo Coutinho UFF
  • Ruth Maria Mariani UFF
Palavras-chave: Educação bilíngue para Surdos, bilinguismo, estratégias de ensino para surdos

Resumo

DOI: https://dx.doi.org/10.35572/rlr.v5i1.576

A educação de Surdos vem sofrendo significativos avanços no que se refere às políticas públicas que, invariavelmente, desaguam dentro dos ambientes escolares. Pensar em uma educação que atenda as especificidades linguísticas destes sujeitos é imperioso no atual momento. O presente artigo tem como objetivo apresentar como se deu a implementação de uma proposta inclusiva bilíngue para Surdos em uma escola comum e os caminhos percorridos para tal. As escolas bilíngues, também chamadas escolas de Surdos, são aquelas em que a língua de instrução é a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Nos ancoramos nos estudos de Albres (2015) e Pereira (2011) para fundamentar o conceito de bilinguismo e em Lacerda e Lodi (2010) e Alves, Pereira e Damázio (2010) encontramos os fundamentos que alicerçam a importância do Ensino Bilíngue na construção da equidade nos processos de aprendizagem dos sujeitos surdos, além da legislação vigente. Diante das inquietações e na busca de possibilitar ao aluno Surdo melhores condições de aprendizagem e de fomentar sua autonomia linguística implementamos, em conjunto com profissionais que trabalhavam no Núcleo de Atendimento a Criança em Idade Escolar Sul (NEACE/Sul), uma proposta “nova” e diferenciada na rede municipal de ensino: Uma proposta de Ensino Inclusivo Bilíngue. Faremos uma breve análise dos documentos oficiais que norteiam as políticas públicas de educação de Surdos bem como os processos de inclusão destas políticas no âmbito escolar. Assumimos aqui o papel na gestão e tendo este olhar como base fundamental para a promoção de uma educação mais equânime e com qualidade para os sujeitos Surdos entendendo que as grandes dificuldades de substancializar uma política mais efetiva estão alojadas em barreiras filosóficas, políticas e também pedagógicas. Para entendermos a necessidade e importância desta perspectiva para a aprendizagem dos alunos Surdos, precisamos compreender o que é Bilinguismo e o que significa o BI em bilinguismo e como assegurar o ensino de sua língua natural LIBRAS (L1) dando centralidade e retirando do nosso entendimento o estereótipo de deficiente do sujeito Surdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Xavier, UFF

Professora no CAEE/Centro na cidade de Juiz de Fora e mestranda no Curso Diversidade e Inclusão – UFF

Gabriel Pigozzo Tanus Cherp Martins, UFF

Intérprete de LIBRAS no CAEE/Centro e professor de L2 no CAEE/Sul e mestrando no Curso Diversidade e
Inclusão – UFF. 

Downloads

Publicado em

21 de outubro de 2023

Como Citar

XAVIER, A. P. .; MARTINS, G. P. T. C. .; COUTINHO, C. M. L. M. .; MARIANI, R. M. . Educação bilíngue de surdos: uma proposta de implementação na rede municipal de educação de Juiz de Fora / MG. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 5, n. 1, p. 27–34, 2023. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1739. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Estudos sobre a LIBRAS e demais línguas de sinais: ensino e outras perspectivas