Da fala para a escrita

a memória do rap nacional brasileiro como efeito de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.11361661
Palavras-chave: Discurso, Rap nacional, Resistência

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar os efeitos de resistência que emergem de três canções do rap nacional brasileiro:  Pânico na Zona Sul (1989), dos Racionais MC’s, Cidadão Comum Refém (2002), de Mv Bill e Favela Vive 4 (2020), de ADL. De maneira mais específica, buscamos compreender como as letras dessas músicas contribuem não só com a popularização da cultura brasileira, mas também constituem-se como espaços de resistência e denúncia de grupos minoritários colocados “à margem” por uma parcela da sociedade, uma vez que se tratam de ambientes que ratificam os espaços de dominância impregnados pelo social e que são visualmente representados por estigmas negativos (“pobres”, “favelados”, entre outros), atribuições feitas sobretudo à comunidade negra. A escolha do material é constituída por três canções de três décadas distintas, ambas com certas regularidades que representam a atual configuração da realidade social do Brasil. Nesse caminho, analisamos os recortes para além de seu gênero musical, bastante conhecido, os observando como um instrumento de resistência corporificado pelas estrofes e pela fala que corroboram, assim, para a denúncia da segregação dessa comunidade. Por meio da análise de discurso francesa, buscamos compreender o rap como um acontecimento discursivo que ressignifica toda memória de resistência dos negros e dos mais pobres nas diferentes esferas brasileiras e que os colocam, também, em um espaço de ressignificação importante e necessário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza de Sousa Bandeira, Universidade Federal de Goiás - UFG

Licenciada em Letras: Português pela Universidade Federal de Goiás - UFG

Marco Antonio Almeida Ruiz, Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e em Sociologia pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris (EHESS). Realizou estágio de pós-doutorado na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (USP). É professor adjunto da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ABRAHÃO, J. O “bota-abaixo” de pereira passos: transformação urbana como artifício civilizatório? Trabalhos de antropologia e etnologia, Porto, v. 62, p. 155-174, jan. 2022.

Além da Loucura ADL. Favela Vive 4 - ADL | Mc Cabelinho | Kmila CDD | Orochi | Cesar MC | Edi Rock (prod. Índio & Tibery). Youtube, 12 de novembro de 2020. Disponível em: https://youtu.be/SZ1H5lIOIuU. Acesso em: 10 de ago. de 2023.

ARRUDA, D. Dimensões subjetivas do racismo estrutural. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 13, n. 35, p. 493-520, 2021.

BILL, MV. Cidadão Comum Refém. YouTube, 09 de junho de 2002. Disponível em: https://youtu.be/rwOQUCWudhA. Acesso em: 10 ago. 2023.

CAMARGOS, R. Rap e política: percepções da vida social brasileira. 1. Ed. São Paulo: Boitempo, 2015. 246 p.

COLIMA, L.; CABEZAS, D. Análise do rap social como discurso político de resistência. Bakhtiniana: revista de estudos do discurso, v. 12, p. 24-44, maio/ago, 2017.

CRUZ, H.D. Os morros cariocas no novo regime: notas de reportagem. Rio de Janeiro: [s. n]. 1941. 102 p.

COUTINHO, André. Pânico na zona sul – Racionais MCs. YouTube, 12 de março de 2009. Disponível em: https://youtu.be/7VORiKdVKoo. Acesso em: 10 ago. 2023.

DOS SANTOS, C. Memória discursiva e a análise do discurso na perspectiva pecheuxtiana e sua relação com a memória social. Saber humano: revista científica da Faculdade Antonio Meneghetti, [S. l.], v. 9, n. 14, p. 167–181, 2019.

LOUREIRO, B. Arte, cultura e política na história do rap nacional. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [S. l.], n. 63, p. 235-241, 2016.

MINUZZI, L. #FortaleçaSuaCenaLocal: a comunicação de rappers e MCs de Santa Maria através das mídias digitais. Monografia (Graduação em Produção Editorial) - Centro de Ciências Sociais e Humanas, Departamento de Ciências da Comunicação, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, p. 81. 2017.

OLIVEIRA, R.; PAULINO, S. C. Vadiagem e as novas formas de controle da população negra urbana pós-abolição. Rio de Janeiro: Revista Direito em Movimento, v.18, n. 1, p. 94-110, 2020.

ORLANDI, E. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2022.

MORAES, J.; MARIANO, S. R. H.; FRANCO, A. M. DE S. Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro: uma história a partir das percepções e reflexões do gestor responsável por sua implantação. Revista de Administração Pública, v. 49, n. 2, p. 493-518, 2015.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. Campinas: Pontes Editores, 2010.

PEDUZZI, P. Guerra às drogas custa R$ 15 bilhões em recursos públicos. Agência Brasil, 2023. Disponível em: < https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2023-06/guerra-drogas-custa-r-15-bilhoes-por-ano-em-recursos-publicos>. Acesso em: 26 nov. de 2023.

PINA, M. R. M. Work hard, party harder: o trabalho dos DJs no lazer noturno paulistano. Tese (Doutorado em Sociologia) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, p. 121. 2021.

QUEIROZ, A. SOBRE AS ORIGENS DA FAVELA (the origins of the ‘favela’). Mercator, Fortaleza, v. 10, n. 23, p. 33-48, 2011.

REIS, S. O RAP na mídia: discurso de resistência? Dissertação (Mestre em Linguística Aplicada) - Universidade de Taubaté. Taubaté, p. 75. 2008.

ROLNIK, R. Exclusão territorial e violência. São Paulo em Perspectiva, v. 13, n. 4, p. 100-111, 1999.

SABOTAGE. Sabotage – “Rap é compromisso” – Rap é compromisso. YouTube, 18 de novembro de 2014. Disponível em: https://youtu.be/rC9vmpQRR40?si=XUYOMclyTeweRvl9. Acesso em: 24 out. 2023.

SALES, R. Democracia racial: o não-dito racista. Tempo social, v. 18, p. 229-258, 2006.

SANTOS, A. O racismo institucional na política de segurança pública do governo Witzel e o genocídio do povo negro: o caso da favela Maré. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) - Escola de Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, p. 104. 2021.

SANTOS, R. E. A história do hip-hop: Resistência da juventude negra no contexto neoliberal. São Paulo: Revista Cultura Crítica, n. 14, p. 16-24, 2011.

SAWAYA, A.; ALBUQUERQUE, M.; DOMENE, S. Violência em favelas e saúde. Estudos Avançados, v. 32, N. 93, p. 243-250, 2018.

SILVA, V..; SOARES, C. As mensagens sobre drogas no rap: como sobreviver na periferia. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 4, p. 975-985, 2004.

SOARES, L. Desmilitarizar. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

TEPERMAN, R. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

TOLEDO, B. A formação das favelas na cidade do Rio de Janeiro: Uma análise baseada na segregação populacional e exclusão social. Anais do XVI Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social, [S. l.], v. 1, n. 1, 2018.

WACQUANT, L. Os condenados da cidade: estudos sobre marginalidade avançada. Revan, 2001.

WACQUANT, L. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

Downloads

Publicado em

4 de junho de 2024

Como Citar

BANDEIRA, A. L. de S.; ALMEIDA RUIZ, M. A. Da fala para a escrita: a memória do rap nacional brasileiro como efeito de resistência. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 13, n. 2, p. e2196, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.11361661. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/2196. Acesso em: 20 jul. 2024.

Seção

n. 2 - 2024 - Dossiê: Língua falada e/ou escrita? Reflexões sobre aquisição e o ensino de língua portuguesa em uma perspectiva decolonial