Itinerários formativos na BNCC: sentidos em mídias digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8219488
Palavras-chave: BNCC, Itinerários Formativos, Discurso digital, Efeitos de sentidos

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar o discurso inscrito em materialidades digitais sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio, com foco nos Itinerários Formativos. Ancora-se teoricamente nos pressupostos da Análise de Discurso de filiação pecheuxtiana; mobilizamos, dentre outras, as noções de discurso, posição-sujeito, discurso logicamente estabilizado e silenciamento. Ademais, temos as contribuições das áreas de Educação e Ciências Sociais. O corpus é constituído por seis materialidades discursivas: dois fragmentos da BNCC sobre os Itinerários; três recortes de uma notícia sobre a BNCC/Itinerários; e um print com cinco comentários acerca da notícia. Os resultados apontam que o discurso da BNCC/Itinerários funciona com efeitos
de flexibilização do currículo e liberdade de escolha dos alunos; porém, nesses ditos funcionam muitos não-ditos e outros sentidos são silenciados, tais como, diversidades regionais; desigualdade social; ausência de políticas governamentais adequadas para a educação; precárias condições de trabalho, além de diversas questões acerca da conjuntura social que interferem na dinâmica dos Itinerários e produzem determinações no processo educacional. Os sentidos se movimentam em/nas rede(s) midiáticas digitais, e nesse funcionamento discursivo, é possível observar que o discurso governamental, em anuência com o discurso pedagógico, busca impor uma posição-sujeito de defesa da BNCC, com efeitos de sentidos de que as orientações do documento trarão soluções aos problemas educacionais do país; entretanto, como a língua se constitui da falha, instauram-se também em/nas redes confrontos discursivos, resistência e contestação; afinal, como afirma Pêcheux (2014c), o sentido sempre pode ser outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Maria dos Santos Pereira, Universidade Estado da Bahia

Professora Assistente da Universidade Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXI; doutoranda em Linguística pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGLin/UESB); mestra em Letras: Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC (2011); especialista em Leitura, Interpretação e Produção de Texto pela FACSUL/UNIME (2009) e graduada em Letras-Espanhol pela UESC (2007). É pesquisadora do Grupo de Estudos sobre Texto e Enunciação (GETEn/UFBA).

Gerenice Ribeiro de Oliveira Cortes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutora em Letras/Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2015); mestre em Letras/Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2009); graduada em Letras pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (1991). Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) e do Programa de Pós-graduação em Linguística (PPGLin). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Análise do Discurso - GEPADIS - UESB/CNPq.

Referências

BARBOSA, L. Meritocracia e Sociedade Brasileira. RAE – Revista de Administração de Empresas. vol. 54, núm. 1, 2014, p. 80-85. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, Brasil. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1551/155129752001.pdf. Acesso em 10 ago. 2021.

BRANCO, E. P. et al. A implantação da Base Nacional Comum Curricular no contexto das políticas públicas neoliberais. Curitiba: Appris, 2018.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf . Acesso em 10 de ago. 2020.

CHAUÍ, M. Simulacro e poder: uma análise da mídia. São Paulo. Fundação Perseu Abramo, 2006.

CHAUÍ, M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez, 2011.

COURTINE, J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: Edufscar, 2009.

DIAS, C. Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes Editores, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GUILBERT, T. As evidências do discurso neoliberal na mídia. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2020.

INDURSKY, F. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discurso. In: MITTMANN, S.; CAZARIN, E.; GRIGOLETTO, E. (Orgs.). Práticas discursivas e identitárias - Sujeito e língua. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

INDURSKY, F. A memória da cena do discurso. In.: INDURSKY, F.; MITTMAN, S. e FERREIRA, M. C. L. (Orgs.). Memória e história na/da análise do discurso. Campinas – SP.

Mercado das Letras, 2011.

KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1153-1178, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br . Acesso em 31 de março de 2021.

LEANDRO FERREIRA, M. C. O caráter singular da língua na análise do discurso. Revista Organon: Revista do Instituto de Letras da UFRGS, v. 17, n. 35, 2003.

LEÃO, H. Notícia: Redução de Humanas no currículo escolar afeta liberdade crítica dos estudantes (por Angieli Maros). Jan. 2021. Disponível em: https://www.plural.jor.br/noticias/vizinhanca/reducao-de-humanas-no-curriculo-escolar-afeta- liberdade-critica-dos-estudantes/ Acesso em 25 ago. 2021.

LOPES, A. C. Itinerários Formativos da BNCC do Ensino Médio. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, P. 59-75, Jan/Mai. 2019. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/963/pdf Acesso em 02 ago de 2021.

ORLANDI, E. P. Recortar ou segmentar? In: Linguística: Questões e Controvérsias. Série Estudos. Uberaba: Faculdades Integradas de Uberaba, 1984. p. 09-26

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. São Paulo: Editora da Unicamp, 2007.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. São Paulo: Pontes, 12a ed. 2015.

ORLANDI, E. P. Educação e sociedade: o discurso pedagógico entre o conhecimento e a informação. Revista ALED, 2016.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi. 5 ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014a.

PÊCHEUX, M. Análise Automática do Discurso (AAD-69). In.: GADET, F; HAK, T (Orgs). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 5 ed. Editora da UNICAMP, 2014b.

PÊCHEUX, M. Ler o arquivo hoje. In.: ORLANDI, E. (Org.). Gestos de Leitura. 4. ed. Campinas- SP: Editora da UNICAMP, 2014c.

PÊCHEUX, M. O Discurso: Estrutura ou acontecimento. 7 ed. Trad.: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2015.

PÊCHEUX, M; GADET, F . A língua inatingível. In.: Pêcheux, M. Análise de Discurso: Michel Pêcheux: textos escolhidos por Eni Orlandi. 2. ed. Campinas: Pontes, 2011.

PORTARIA n.o 1.432, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2018. Disponível em: http://estaticog1.globo.com/2019/04/05/DiarioOficial.pdf_ga=.268450610.2112066699.1616989539-1956491532.1613745904 . Acesso em nov. 2020.

TEIXEIRA, R. F.; LEÃO, G. C.; DOMINGUES, H.; ROLIN, Evandro C. Concepções de itinerários formativos a partir da Resolução CNE/CEB No 06/2012 e da LEI no 13.415/2017.

Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/27280_14159.pdf Acesso em 20 jul. 2021.

Downloads

Publicado em

27 de julho de 2022

Como Citar

PEREIRA, A. M. dos S. .; CORTES, G. R. de O. Itinerários formativos na BNCC: sentidos em mídias digitais. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 11, n. 2, p. 185–214, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.8219488. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/938. Acesso em: 12 abr. 2024.

Seção

Artigos de temas livres