Gíria dos acautelados: recurso linguístico dos jovens que se encontram privados de liberdade

Autores

  • Fernando Miranda Arraz Pontifícia Universidade Católica

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8170228
Palavras-chave: Gíria, Léxico, Recurso linguístico, Jovens acautelados

Resumo

Este artigo apresenta uma das variedades presentes no léxico português, que é a gíria, falada em especial poradolescentes e/ou jovens que se encontram em privação de liberdade, os acautelados. Essas gírias são consideradasherméticas, logo difíceis de serem compreendidas por aqueles que não estão inseridos no grupo, sendo, por isso,uma forma de proteção e identificação dos membros, determinando a identidade cultural dos falantes, moldamaspectos de sua personalidade que vão além dos aspectos linguísticos. Para esses usuários há uma necessidade decriar um signo linguístico próprio, não porque desconheçam outros níveis linguísticos, mas porque eles têm comoobjetivo a busca da proximidade com quem ele fala e a criação de efeitos de sentidos que outras palavras nãooportunizariam criar. O estudo busca, a partir do início de uma análise realizada com um corpus léxico, mostrar deque forma jovens acautelados criam gírias, sem conhecimento científico dos recursos linguísticos. A partir desse recurso linguístico, os jovens constroem laços sociais e lidam com o mal-estar contemporâneo, conseguindo, de alguma maneira, encontrar um lugar no meio social, endereçando seu sofrimento pela via do simbólico. Apresentando esse universo linguístico que circunda o uso da linguagem gíria, visando uma melhor contribuição para a valorização dessa variedade linguística que, apesar de constituir-se um fenômeno imprescindível no processo natural de renovação da língua, ainda é, por muitos, estigmatizada. Espera-se que este estudo facilite a prática de diversos profissionais que convivem com esses jovens acautelados, buscando uma melhor compreensão da temática e permitindo nortear pesquisas futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Miranda Arraz, Pontifícia Universidade Católica

Pontifícia Universidade Católica – PUC Minas, Belo Horizonte/MG, Brasil, Doutor em Letras: Linguística e Língua Portuguesa. Servidor Público da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (SEJUSP/MG). Bolsista CAPES.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Sobre reprodução. Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 2008.

__________. Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado. Trad. Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Edições Graal. 1985.

ARRAZ, Fernando Miranda. A gíria em um ambiente socioeducativo: recurso linguístico utilizado pelos jovens que se encontram privados de liberdade. Revista Dissol. Pouso Alegre, ano VII, no12, jul.-dez./2020.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 2007.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990: Estatuto da criança e do adolescente. 9. ed. São Paulo: Atlas; 2000 (1990).

BRANDÃO, H. H. N. O léxico na perspectiva discursiva. In: ALVES, I. M. et al. (org.). IV Colóquio Os estudos lexicais em diferentes perspectivas. Caderno de resumos. São Paulo, 2009, p. 82-96.

__________. Introdução à análise do discurso. Campinas: Editora da Unicamp. 2a ed, 2004.

CABELLO A. R. G. Linguagens especiais: realidade linguística operante. Ponta Grossa- PR:UniLetras, v.24; 2002. D

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

__________. A Ordem do Discurso. São Paulo, Edições Loyola, 2013.

__________. Vigiar e Punir: Nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 35. ed.Petrópolis/RJ, Editora Vozes, 2012.

OLIVEIRA M. L. T. A gíria dos internos da FEBEM. [Dissertação] São Paulo: PUCSP; 2006.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos. 7 ed. Campinas, SP: Pontes,2007.

PÊCHEUX, M. O discurso: Estrutura ou acontecimento. 5 ed. Campinas, SP: Pontes, 2008.

PRETI, D. F. O léxico na linguagem popular: a gíria. 2007. Disponível em http://simelp.fflch.usp.br/sites/simelp.fflch.usp.br/files/inlinefiles/S1802.pdf. Acesso em março de 2022.

__________. O Vocabulário oral popular: a gíria. In: PRETI, Dino. Estudos de Língua Oral e Escrita. Rio de Janeiro: Lucerna; 2004.

REMENCHE, M. L. R. As criações metafóricas na gíria do sistema penitenciário do Paraná. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) 107 f. – Universidade Estadual de Londrina, 2003.

SILVA W. F. R. da. Gírias do sistema prisional paranaense: a linguagem dos presídios ultrapassando seus muros. Dissertação (Mestrado em Letras) Londrina: UEL-Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2014.

SILVA, Maria Edileuza T. Os sentidos da liberdade... O léxico gírio como resultado de uma produção léxica criativa e significativa. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2008.

Downloads

Publicado em

12 de outubro de 2022

Como Citar

ARRAZ, F. M. . Gíria dos acautelados: recurso linguístico dos jovens que se encontram privados de liberdade. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 11, n. 3, p. 345–363, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.8170228. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/905. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Artigos