Identidades sociais e ensino crítico na aula de FLE: desenvolvendo uma prática reflexiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10020333
Palavras-chave: Identidades sociais, Ensino crítico, Prática reflexiva

Resumo

Esta pesquisa situa-se na perspectiva crítica de ensino que relaciona o uso da língua com o mundo social (HOOKS, 2013; PENNYCOOK, 2001). A língua é compreendida neste trabalho como prática social, repleta de ideologias e relações de poder (FAIRCLOUGH, 2008; THOMPSON, 1990). Ela constrói identidades sociais, que são múltiplas e fragmentadas (HALL, 2014; SILVA, 2014). Logo, o ensino se torna uma possibilidade de transformação social por meio da reflexão crítica da realidade (FREIRE, 2011). Dessa maneira, este estudo tem como objetivo investigar como o ensino crítico pode proporcionar reflexões sobre identidades sociais, além de (re)construir identidades docentes com vistas à favorecer uma prática reflexiva. Com base nesses eixos teóricos, este trabalho caracteriza-se por uma Pesquisa-Ação (BARBIER, 2007) de natureza qualitativa (DENZIN; LINCOLN, 2006). As interações em sala de aula promoveram reflexões sobre diversas práticas sociais, favorecendo aprendizados que vão além da língua por si mesma (NORTON; TOOHEY, 2001), mas se servindo dela para repensar a sociedade. Ademais, o ensino crítico contribuiu para a (re)construção de identidades docentes, possibilitando desenvolver uma prática pedagógica reflexiva, sobretudo no que tange ao papel do professor de línguas nessa perspectiva de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Gisele de Britto Damasco, Université de Brasilia

Graduada em Letras (1986), com Mestrado (2008) e Doutorado (2014) em Educação pela Universidade de
Brasília. Professora de Francês Língua Estrangeira na Secretaria de Estado de Educação do DF de 1989
a 2015. Atualmente, faz pós-doutorado na PUC SP e é presidente da Federação Brasileira de Professores
de Francês (2017-2020 e 2020/2022).

Walesca Afonso Alves Pôrto, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Professora de francês língua estrangeira (FLE) da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal
(SEEDF) e membro da Associação de Professores de Francês do Distrito Federal (APFDF). Mestra em
Linguística Aplicada (2016) e Licenciada em Letras Francês (2009) e Português (2013) pela Universidade
de Brasília. Sua linha de pesquisa concentra-se em Linguística Aplicada, atuando principalmente nos
seguintes temas: identidades sociais no ensino-aprendizagem de línguas, letramento crítico e ensino
intercultural.

Referências

BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Tradução Lucie Didio. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.

BOURDIEU, P. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. 18. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOPES LOURO, G. (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte, Autêntica, 1999. p. 151-172.

CARNEIRO, S. A mulher negra na sociedade brasileira: o papel do movimento feminista na luta anti-racista. In: MUNANGA, K. (Org.). O negro na sociedade brasileira: resistência, participação, contribuição. v. 1. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2004. p. 286-336.

CONSEIL DE L'EUROPE. Cadre européen commun de référence pour les langues : apprendre, enseigner, évaluer. Paris : Éditions Didier, 2001.

CRUZ, A. C. J.; RODRIGUES, T. C.; BARBOSA, L. M. A. Apontamentos teóricos para a educação das relações étnico-raciais no Brasil: contextos e conceitos. In: BARBOSA, L. M. A. (Org.). Relações étnico-raciais em contexto escolar: fundamentos, representações e ações. São Carlos: EdUFSCar, 2011. p. 11-37.

DENZIN, N. K; LINCOLN, Y, S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DIALLO, R. Racisme : mode d’emploi. Madrid : Unigraf S. L., 2011.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

FERREIRA, A. J. Identidades sociais de raça/etnia na sala de aula de língua inglesa. In: ______. Identidades sociais de raça, etnia, gênero e sexualidade: práticas pedagógicas em sala de aula de línguas e formação de professores/as. São Paulo: Pontes Editores, 2012. p. 19-50.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 21. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011. 79 p.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia da Pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, set./dez. 2005, p. 483-502.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GOMES, N. L. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: MEC, 2005. p. 143-154.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HOOKS, B. Teaching critical thinking: practical wisdom. New York, London: Routledge, 2010.

______. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

______. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 16, p. 193-210, jan./ abr. 2015.

LOPES, A. C.; BORGES, V. Formação docente, um projeto impossível. Cadernos de pesquisa, Brasília, v. 45, n. 157. p. 486-507, jul./set. 2015.

LÜDKE, M; ANDRÉ, M, E. D. A. Pesquisa em educação: Abordagens Qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2013.

MASTRELLA-DE-ANDRADE. Pensando identidades em contextos de ensino-aprendizagem de línguas: uma discussão teórica introdutória. In: FIGUEREDO, C. J.; MASTRELA-DE-ANDRADE, M. R. (Orgs.). Ensino de Línguas na Contemporaneidade: Práticas de Construção de Identidades. São Paulo: Pontes, 2013, p. 17-60.

MOITA LOPES, L. P. Linguagem e escola na construção de quem somos. In: FERREIRA, A. J. (Org.). Identidades sociais de raça, etnia, gênero e sexualidade: práticas pedagógicas em sala de aula de línguas e formação de professores/as. São Paulo: Pontes Editores, 2012. p. 9-12.

MUNANGA, K. Apresentação. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: MEC, 2005. p. 15-20.

NORTON, B.; TOOHEY, K. Changing Perspectives on Good Language Learners. Tesol Quarterly, Ontário, v. 35, n. 2, p. 307-322. 2001.

PENNYCOOK, A. Critical Applied Linguistics: a critical introduction. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 2001.

______. Uma lingüística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 67- 84.

REIS, S.; D’ALMAS. J.; MANTOVANI, L. Leituras críticas para transformação do cotidiano. In: EL KADRI, M. S.; PASSONI, T. P.; GAMERO, R. (Orgs.). Tendências contemporâneas para o ensino de língua inglesa: propostas didáticas para a educação básica. São Paulo: Pontes Editores, 2014. p. 125-150.

SANTERINI, M. Reconnaître et prévenir le néo-racisme. Strasbourg: Conseil de l’Europe, 2015. Disponível em: [http://assembly.coe.int/nw/xml/XRef/Xref-DocDetails-fr.asp?FileId=21803]. Accesso em: 15 out. 2020.

SILVA, T. T. (Org.). A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 73-102.

TELLES, E. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1990.

TILIO, R. A construção social de gênero e sexualidade em livros didáticos de inglês: que vozes circulam? In: FERREIRA, A. J. (Org.). Identidades sociais de raça, etnia, gênero e sexualidade: práticas pedagógicas em sala de aula de línguas e formação de professores/as. São Paulo: Pontes Editores, 2012. p. 121-143.

URZÊDA FREITAS, M. T. Ensino de línguas como transgressão: corpo, discursos de identidades e mudança social. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. A formação do professor de línguas de uma perspectiva sociocultural. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 15/2, p. 457-480, dez. 2012.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 07-72.

Downloads

Publicado em

29 de novembro de 2021

Como Citar

DAMASCO, D. G. de B.; PÔRTO, W. A. A. Identidades sociais e ensino crítico na aula de FLE: desenvolvendo uma prática reflexiva. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 10, n. Spécial, p. 92–119, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.10020333. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1675. Acesso em: 20 jul. 2024.

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)