Narrar e morder: símbolos da violência em Mulheres que mordem, de Beatriz Leal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8047729
Palavras-chave: Mulheres que mordem, Violência, Beatriz Leal

Resumo

Neste trabalho, analisamos a obra Mulheres que mordem (2015), de Beatriz Leal com o objetivo de identificar comoa escritora explora, a partir de metáforas literárias os diferentes tipos de violência. A abordagem teórica está voltadao texto literário e o papel do crítico como responsável por ler a obra de uma perspectiva diferente do leitor. Foucault(2014); (2021), Motta (2002), Frye (1957), Culler (1999) e Norman Friedman (2002) conferem, portanto, robustez aesse corpus teórico, que tem como perspectiva metodológica a pesquisa bibliográfica. Mulheres que mordem énarrada a partir de vários pontos de vista que coincidem com o narrador onisciente seletivo, além de ser escritamajoritariamente em modo sumário, com poucas cenas descritivas. O simbolismo das metáforas empregadas pelaautora mostra quatro personagens que mordem para obter o controle de si mesmas e do mundo que as cerca. Morder,neste sentido, está tanto no campo do real quanto no universo simbólico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

SILVA, Laura Cristina Leal e. PINHEIRO, Alexandra Santos. Narrar e morder: símbolos da violência em Mulheres que mordem, de Beatriz Leal. Revista Letras Raras. Campina Grande, v. 11, n. 4, p. 58-73, dez. 2022.

Downloads

Publicado em

29 de dezembro de 2022

Como Citar

LEAL E SILVA, L. C.; SANTOS PINHEIRO, A. Narrar e morder: símbolos da violência em Mulheres que mordem, de Beatriz Leal. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 11, n. 4, p. 58–73, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.8047729. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/756. Acesso em: 19 abr. 2024.

Seção

Artigos de temas livres