TENDÊNCIAS ENUNCIATIVAS E DISCURSIVAS NA DISCIPLINARIZAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10529500
Palavras-chave: Língua portuguesa, Teorias linguísticas, Didatização, Livro didático

Resumo

O estudo discute as nuances do escopo teórico enunciativo-discursivo e sua influência na contemporaneidade do ensino da língua portuguesa, a partir da formulação de objetos de ensino por autores de livros didáticos de português, em sua filiação a campos de estudos linguísticos pós-estruturalistas. Na análise, observa-se a transposição e recontextualização didática de saberes de referência de duas principais linhas de análise do discurso, no contexto brasileiro, Análise do discurso e Análise dialógica do discurso. Na tentativa de aplicação de conceitos teóricos, nota-se mudança de paradigma na constituição da disciplina e de sua história, originada nas políticas linguísticas e instruções oficiais em que objetos, objetivos e metodologias de ensino buscam adequação a princípios epistemológicos de perspectivas enunciativas e discursivas.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTMAN, Cristina. A pesquisa linguística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitas, 2003.

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa, São Paulo: Presença-Martins Fontes, [1970]1974.

BAKHTIN, Mikhail. O autor e o herói. In: Estética da criação verbal. Tradução: Maria Emantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1959-61/2000. p. 23-220.

BERNSTEIN, B., A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BEZERRA, Paulo. Breve glossário de alguns conceitos-chave. In: BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra; organização da edição russa de Serguei Botcharov e Vadim Kójinov. São Paulo: Editora 34, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Documento homologado pela Resolução nº 4, de 17 de dezembro de 2018, publicada no Diário Oficial da União de 18/12/2018, Seção 1, p. 120. Brasília, 18 de dezembro de 2018. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf Acesso em 20 set. 2020.

BRASIL. Língua Portuguesa: Catálogo do Programa Nacional do Livro para o Ensino Médio: PNLEM/2009 / Secretaria de Educação Básica, FNDE – Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2008. 136p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br Acesso em: 18 jan. 2019.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (5ª a 8ª séries). Língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Parecer 853, de 12 de novembro de 1971, do Conselho Federal de Educação. Núcleo-comum para os currículos de 1º e 2º graus. Brasília, 1971.

BRASIL. Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF: 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.htm. Acesso em 10 fev. 2020. CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, 1999, v. 2, p. 177-229.

CHEVALLARD, Yves. La transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La Pensée Sauvage, 1991.

DE SOUZA LUZ-FREITAS, Márcia. E a língua portuguesa tornou-se disciplina curricular, 2004. Disponível em http://www.filologia.org.br/revista/33/04.htm Acesso 13 mar. 2020.

FÁVERO, L. L. O ensino de língua portuguesa. Anais do II Simpósio Internacional de Análise de Discurso. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

GREGOLIN, Maria do Rosário. O que quer, o que pode esta língua? Teorias linguísticas, ensino de língua e relevância social. In: CORREA, Djane Antonucci (org.). A relevância social da linguística: linguagem, teoria e ensino. São Paulo: Parábola Editorial; Ponta Grossa: UEPG, 2007. p. 51-78.

GUIMARÃES, E. R. J. Sinopse dos estudos de português no Brasil. Relatos. Publicação do Projeto Hil Unicamp, Campinas, n. 1, p. 3-20, 1993.

PETITJEAN, A. Importância e limites da noção de transposição didática para o ensino do francês. Fórum Linguístico, Florianópolis, n.5, v.2, p.83-116, jul./dez. 2008.

KRISTEVA, Júlia. Introdução à seminálise. São Paulo: Debates, 1969.

PÊCHEUX, M. Discurso e ideologia(s). In: Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Pontes, [1983]1995.

SOARES, Magda. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, Marcos (org). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002, p. 155-177.

______. Concepções de linguagem e o ensino de língua portuguesa: In: BASTOS, N. B. (org.) Língua portuguesa: história, perspectivas, ensino. São Paulo: EDUC, 1998. p. 53-60.

SOUZA, Roberto Acízelo de. O império da eloquência: retórica e poética no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUERJ: EdUFF, 1999.

VERRET, M. Le temps des études. Paris: Honoré Champion, 1975.

WEEDWOOD, Barbara. História concisa da linguística. São Paulo: Parábola. Editorial, 2002.

XAVIER, M. E. S. P.; RIBEIRO, M. L. S.; NORONHA, O. M. História da educação: a escola no Brasil. São Paulo: FTD, 1994.

Downloads

Publicado em

18 de janeiro de 2024

Como Citar

PEREIRA, S. V. M.; LIMA, R. V. de A. TENDÊNCIAS ENUNCIATIVAS E DISCURSIVAS NA DISCIPLINARIZAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Revista Leia Escola, Campina Grande, v. 23, n. 5, p. 37–58, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10529500. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/970. Acesso em: 13 jun. 2024.

Seção

Fluxo contínuo