https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/issue/feed Revista Leia Escola 2024-04-08T23:28:35-03:00 Márcia Tavares - Editora Geral marcia.tavares@professor.ufcg.edu.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A Revista Leia Escola é o periódico quadrimestral do Programa de Pós-Graduação em Linguagem e Ensino da Unidade Acadêmica de Letras da Universidade Federal de Campina Grande. A revista publica textos inéditos que reflitam sobre a linguagem e o ensino, a partir dos seguintes eixos: ensino de literatura e formação de leitores; práticas leitoras e diversidade de gêneros literários; práticas sociais, históricas e culturais de linguagem; e ensino de línguas e formação docente.</p> <p style="text-align: justify;"><strong>e-ISSN</strong>: 2358-5870</p> <p><strong>QUALIS: A4</strong> (2017-2020)</p> <p><strong>ÁREA : </strong>LINGUÍSTICA E LITERATURA </p> <p><strong>ANO DE CRIAÇÃO: </strong>2012</p> <p><strong>PERIODICIDADE</strong>: Quadrimestral</p> <p><strong>E-MAIL:</strong> leiaescola2010@gmail.com</p> <p><strong>E-MAIL INSTITUCIONAL:</strong> periodico_ppgle@ufcg.edu.br</p> <p><a href="https://scholar.google.com.br/citations?user=pA53HAIAAAAJ&amp;hl=pt-BR&amp;citsig=AMD79orNHRPtOWuWuVSxuFN2bW9E_Hg2oA"><strong>GOOGLE SCHOLAR Índice h: </strong></a>6</p> <p><a title="CITE FACTO" href="https://www.citefactor.org/journal/index/23286/revista-leia-escola#.XKurI_ZFzIU"><strong>CITEFACTOR</strong>: 1.5</a></p> <p><a title="mla" href="https://miar.ub.edu/indizadaen/2358-5870/mla"><strong>MLA</strong>: 4.4</a></p> https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/848 O LUGAR DA LEITURA LITERÁRIA E A SUA MEDIAÇÃO NA ESCOLA 2023-07-14T15:15:24-03:00 Flávia Cristina de Araújo Santos Assis flavia.aprender@gmail.com Ezequiel Theodoro Silva profezequieltsilva@gmail.com <p>A obra trata, mais especificamente, da transversalidade dos saberes e das práticas literárias no Ensino Fundamental I e apresenta um panorama de reflexões contemporâneas que abarcam as vertentes linguística, pedagógica, psicológica e antropológica da leitura da literatura. Nesse viés, a obra contempla diferentes estudos de pesquisadores e professores em literatura no intuito de proporcionar uma visão holística dos múltiplos saberes e fazeres da educação literária. Os capítulos sublinham a expressiva importância do livro literário na dimensão identitária, relacional, histórico-cultural, literária e patrimonial das pessoas, a partir do ininterrupto devir histórico da escola, família e sociedade.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/738 "PASSANDO A LIMPO" UMA RESENHA 2023-06-10T15:51:07-03:00 Marcela de Melo Cordeiro Eulálio celinha.letras@hotmail.com Regina Celi Mendes Pereira reginacmps@gmail.com <p>No processo de alfabetização acadêmica (CARLINO, 2013), percebemos que, embora seja orientada a elaboração do esquema/planejamento como etapa anterior à produção textual, os alunos recém-ingressos no ensino superior possuem dificuldades em planejar seu texto, levando-nos a investigar em quais dimensões textual-discursivas a primeira versão de um texto interfere em sua elaboração final. Objetivamos, portanto, neste trabalho, analisar a influência da primeira versão do texto no favorecimento da produção da resenha de alunos de cursos distintos em uma turma de Língua Portuguesa de uma universidade federal brasileira, observando em quais dos estratos do folhado textual (BRONCKART, 1999), assim como em qual dimensão textual-discursiva, houve mais interferência entre a primeira e segunda versão da resenha, a fim de compreender a concepção desses alunos sobre planejamento textual em seu processo de ensino/aprendizagem da escrita. Teórico-metodologicamente, esta pesquisa qualitativa fundamenta-se, especialmente, nas reflexões e categorias de análise propostas por Bronckart (1999, 2006, 2022). Os resultados das análises indicam que os alunos, por não possuírem o hábito de planejarem seus escritos, ainda não conseguem perceber significativamente as diferenças entre a primeira e segunda versão de um texto. &nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2023 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/744 RESSIGNIFICAÇÃO DE PRÁTICAS ANTIRRACISTAS DE UMA PROFESSORA DE LÍNGUA INGLESA 2023-06-15T12:29:30-03:00 Marcela Cristina Fideles Gonzaga marcelafgonzaga@gmail.com Vanderlice dos Santos Andrade Sól vanderlice.sol@ufop.edu.br <p>Este estudo segue o paradigma qualitativo de pesquisa de modalidade pesquisa-ação colaborativa (PIMENTA, 2005). Ancorado nas pesquisas em Linguística Aplicada, este artigo pretende compreender de que forma uma professora de Língua Inglesa (LI) em serviço (des)constrói conhecimento docente sobre Educação Antirracista a partir do planejamento e regência de práticas de Letramento Racial Crítico (FERREIRA, 2012; 2014). O corpus é constituído por notas de campo e uma narrativa escrita. Os participantes são uma professora da rede pública de ensino de Minas Gerais e três turmas do Ensino Médio. &nbsp;Os dizeres da professora apontam para a (des)construção de conhecimento docente sobre a importância da contextualização sócio-histórica de práticas antirracistas nas aulas de LI e do uso de vocabulário específico da luta antirracista nessas aulas. A investigação sugere a pesquisa-ação colaborativa como uma importante metodologia para formação antirracista de professores em serviço já que permite diálogos intensos e colaborativos entre a escola e a universidade.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2023 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/970 TENDÊNCIAS ENUNCIATIVAS E DISCURSIVAS NA DISCIPLINARIZAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA 2023-08-12T12:11:04-03:00 Sônia Virgínia Martins Pereira sonia.mpereira@ufpe.br Renata Valéria de Araujo Lima renata.araujo0712@gmail.com <div id="titleAndAbstract"> <table class="data" width="100%"> <tbody> <tr valign="top"> <td class="value">O estudo discute as nuances do escopo teórico enunciativo-discursivo e sua influência na contemporaneidade do ensino da língua portuguesa, a partir da formulação de objetos de ensino por autores de livros didáticos de português, em sua filiação a campos de estudos linguísticos pós-estruturalistas. Na análise, observa-se a transposição e recontextualização didática de saberes de referência de duas principais linhas de análise do discurso, no contexto brasileiro, Análise do discurso e Análise dialógica do discurso. Na tentativa de aplicação de conceitos teóricos, nota-se mudança de paradigma na constituição da disciplina e de sua história, originada nas políticas linguísticas e instruções oficiais em que objetos, objetivos e metodologias de ensino buscam adequação a princípios epistemológicos de perspectivas enunciativas e discursivas.</td> </tr> </tbody> </table> </div> <div id="indexing">&nbsp;</div> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2023 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2157 INVESTIGANDO O USO DE RECURSOS DE ENGAJAMENTO EM MODELOS DE TEXTOS-RESPOSTA ELABORADOS PARA A PROVA DE ESCRITA INTEGRADA DO TOEFL iBT 2024-01-06T12:46:49-03:00 Thiago Felinto Oliveira de Queiroz thiagofelinto451@gmail.com Anderson Alves de Souza andersondesouza@netscape.net <p>Milhares de instituições ao redor do mundo utilizam o exame do TOEFL iBT como comprovação de fluência no idioma. Por conta disso, existem vários materiais que visam ao preparo de estudantes para esse exame. O objetivo desta pesquisa é investigar o uso de recursos de engajamento em 8 modelos de textos-resposta das atividades de escrita integrada (<em>integrated task</em>) nos textos do tipo Adição de Informação coletados do livro <em>Longman Preparation Course for the TOEFL Test:&nbsp;iBT, Second Edition </em>(PHILLIPS, 2013). Para isso, utiliza-se a Teoria da Avaliatividade (MARTIN;WHITE, 2005), com foco no Sistema de Engajamento, como referencial teórico desta pesquisa. A análise revelou que cada um dos três tipos de parágrafos propostos por Phillips (Tópico Frasal, Texto Escrito e Texto Oral) possuem diferentes realizações léxico-gramaticais dos recursos de engajamento. O parágrafo sobre o tópico frasal faz maior uso de recursos de Reconhecimento. O parágrafo sobre o texto escrito é marcado pelo uso majoritário dos recursos Reconhecimento, Distanciamento e Endosso. Já o parágrafo sobre o texto oral utiliza majoritariamente o recurso Reconhecimento. Espera-se que a presente pesquisa possa contribuir com as demais investigações acerca da Teoria da Avaliatividade, da escrita acadêmica e de exames.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/973 A COMPETÊNCIA ARGUMENTATIVA NA BNCC 2023-10-17T16:56:16-03:00 Leonara Nahyane Silva leonara.nahyane@estudante.ufcg.edu.br Denise Lino de Araújo denise.lino@professor.ufcg.edu.br <p>Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa em andamento acerca da programabilidade da competência argumentativa na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) (BRASIL, 2018) e visa analisar as habilidades de uso da argumentação apresentadas por esse documento normativo para o 9º ano, nos componentes curriculares Língua Inglesa, História e Ciências e para o 6º ao 9º ano no componente Língua Portuguesa. No que se refere aos aspectos metodológicos, a pesquisa apresenta-se como do tipo documental (Silveira; Córdova, 2009), se insere no campo da Linguística Aplicada (LA) (Kleiman, 1988) e fundamenta-se na análise de conteúdo de Moraes (1999). No que se refere aos fundamentos teóricos, baseia-se em Chevallard (1991), Petijean (2008), Plantin (2008), Leitão (2011), Pacífico (2016), entre outros. A partir da análise empreendida, os resultados apontam a construção transversal da competência argumentativa nos componentes analisados. E quanto às habilidades, no componente Língua Portuguesa, estas têm o foco voltado para levar o aluno a aprender a argumentar em diversas situações. Já no componente Língua Inglesa, as habilidades visam tanto levar o aluno a aprenderem a argumentar, quanto a argumentarem para aprender/construir conhecimentos. Nos componentes Ciências e História, as habilidades vislumbram o argumentar para aprender, a partir de alguns temas indicados.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2023 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2158 O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LÍNGUA DE SINAIS PARA SURDOS NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO 2024-01-06T12:54:36-03:00 Nathália Scalabrine Rocha nathaliascalabrinee@gmail.com Cinthia Maria Felício cinthia.felicio@ifgoiano.edu.br Letícia de Sousa Leite leticiadesousaleite@gmail.com <p>O presente estudo reflete sobre o ensino de línguas para surdos no atendimento educacional especializado com o enfoque na mediação pedagógica. Quanto ao quadro teórico-metodológico houve a revisão bibliográfica da temática de estudo, quais sejam os textos que elucidam sobre a mediação como o processo social para maturação dos processos mentais superiores, e sobre o ensino de línguas para surdos no Atendimento Educacional Especializado. Partimos de Vygostsky para subsidiar a importância da mediação social e da linguagem no desenvolvimento cognitivo. No que se refere à educação de surdos, os trabalhos de Godoi, Vera e Daxemberg, nortearam nossas discussões. Buscamos refletir sobre o processo de escolarização dos alunos surdos, em específico o ensino de línguas no contexto do Atendimento Educacional Especializado, sendo elas a língua portuguesa e a língua brasileira de sinais. Por fim, volvemos nosso olhar para a mediação pedagógica, no processo educacional do aluno surdo e a influência das teorias de Vygotsky na prática docente. Como resultado da pesquisa, entendemos que a teoria vygotskyana pode contribuir significativamente para a educação de surdos, poisuma vez que critica a imposição da metodologia oralista para esses alunos, além de reconhece, a mímica e o gestual como formas de comunicação dos surdos.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2169 LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O ENSINO MÉDIO E ENSINO DE LITERATURA NO CONTEXTO DA BNCC 2024-01-16T19:18:13-03:00 Mirian Hisae Yaegashi Zappone mirianzappone@gmail.com <p>O artigo apresenta dados de pesquisa que objetivou analisar a presença de textos literários em livros didáticos de Língua Portuguesa e de Linguagens e suas tecnologias aprovados a partir do PNLD 2021. A análise proposta teve como objetivo observar as obras literárias presentes nesse material e as propostas de leitura para elas apresentadas. Neste artigo, são apresentados, entretanto, apenas os dados relativos à qualidade da seleção de textos. A proposta de trabalho se justifica em função de tais materiais se constituírem nos primeiros exemplares de livros didáticos produzidos a partir da introdução da nova Base Nacional Comum Curricular, aprovada em 2018, e que, a partir de 2022, foi contemplada nos materiais didáticos destinados aos alunos do Ensino Médio brasileiro. Trata-se de pesquisa documental, ou seja, pesquisa que teve como objeto de investigação um conjunto de textos caracterizados como materiais didáticos. Foram analisadas cinco livros didáticos de Língua Portuguesa (volumes únicos) e cinco coleções de livros didáticos da área de Linguagens e suas tecnologias (cada qual com 6 volumes), totalizando 40 livros. O <em>corpus</em> foi analisado a partir de dois aspectos: i) presença de gêneros literários; ii) inserção histórica e estética dos textos literários.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2170 AS MEMÓRIAS DOS ALUNOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DO CURSO DE LETRAS SOBRE A LEITURA LITERÁRIA NA ESCOLA 2024-01-16T19:52:51-03:00 Ana Lúcia Maria de Souza Neves analuciasouza@servidor.uepb.edu.br <p>O presente artigo discute acerca das práticas de leitura literárias a partir das memórias dos alunos recém-ingressos no curso de Letras, 2020.1. Pretendemos, fazer um diagnóstico das práticas de leitura do texto literário na escola básica, identificando os modos de ler, o lugar ocupado pelo texto literário na sala de aula . Nosso interesse ´é conhecer os saberes e as experiências literárias vivenciadas na escola de ensino fundamental e médio a fim de promover na sala de aula da universidade o diálogo com o aluno baseado no reconhecimento e na valorização das preferências de leitura e vivências. A constituição do corpus é formada pelas memórias de leituras de alunos da disciplina Teoria da Poesia no período 2020.1/noturno da Universidade Estadual da Paraíba, campus I. Ao todo foram coletados 30 relatos. O registro das memórias foi realizado a partir de uma atividade aplicada em sala de aula na qual foi solicitado aos alunos que relatassem sobre as leituras vivenciadas no período escolar dentro e fora da escola. As reflexões foram embasadas em estudos sobre leitura, concepção de literatura, ensino de literatura. Dentre os autores consultados estão: Certeau (1994); Luzia de Maria (2008); Márcia Abreu (2006); Cosson (2006, 2014); Alves (2014).</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2161 INVISIBILIDADES E VIOLÊNCIAS NO ROMANCE AFRICANO A ÚLTIMA TRAGÉDIA, DE ABDULAI SILA 2024-01-12T08:17:35-03:00 José Augusto Soares Lima augusto.lima@estudante.ufcg.edu.br Maria Marta dos Santos Silva Nóbrega martanobregaufcg@gmail.com <p>O presente estudo se debruça no estudo das literaturas africanas de língua portuguesa, mais especificamente, da literatura guineense, tendo as representações das personagens e seus contextos como foco. O objetivo principal dessa pesquisa é analisar a obra <em>A última tragédia </em>(2011), de Abdulai Sila enquanto constituição romanesca em território africano, à luz da teoria decolonial em que são observados de forma crítica os princípios da colonização alastrados por séculos e enraizados nas interações sociais no mundo contemporâneo (Santos, 2022). Além disso, elencamos como foco temático as invisibilidades e as violências vividas pelas personagens indígenas em meio ao processo de colonização do território guineense. Para tanto, utilizamos como prática metodológica uma pesquisa exploratória e bibliográfica qualitativa, de natureza básica. Em diálogo com a perspectiva decolonial, a partir das considerações de Santos (2022), Maldonado-Torres (2018) e de estudiosos das literaturas africanas Hamilton (1999), Bonnici (2009), Augel (2011), Noa (2017) e tantos outros mobilizados na fundamentação desse estudo. &nbsp;Assim sendo, os legados do colonialismo apresentam consequências até os nossos dias, manipulando culturalmente as sociedades e dificultando todo o processo de descolonização, contudo, o projeto decolonial abre possibilidades de esclarecimentos dos legados da colonialidade do poder, do ser e do saber estabelecidos historicamente.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2332 DO IMPRESSO AO DIGITAL 2024-04-08T23:28:35-03:00 Danielly Vieira Inô daniellyino@servidor.uepb.edu.br <p>A história da leitura registra vários momentos de “revoluções da leitura”, prática afetada, entre outros aspectos, pelo desenvolvimento de técnicas de reprodução e circulação dos escritos, como demonstram Chartier (1999) e Darnton (2010). Contudo, vivemos recentemente um momento único e atípico nessa relação, que costuma se desenvolver gradualmente ao longo do tempo, mas que, devido à pandemia de Covid-19, foi intensificada drasticamente. Diante desse contexto, a pergunta que motivou a realização deste trabalho foi: de que modo a adoção do ensino no formato remoto interferiu nas práticas de leitura dos discentes de Licenciatura Plena em Letras (UEPB/Campus VI)? Procuramos, portanto, pensar sobre: <em>o que</em>, <em>como</em>, <em>onde</em> e <em>por que</em> liam os alunos, observando esses dados numa comparação entre dois momentos distintos – antes e depois da deflagração do ensino remoto. O objetivo deste trabalho foi, assim, investigar de que modo a adoção do ensino no formato remoto interferiu nas práticas de leitura adotadas pelos discentes. Para tanto, foram aplicados questionários, através do <em>Google Forms,</em> com questões discursivas relacionadas às práticas de leitura dos alunos, realizadas antes e durante esse período.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/2173 ESTUDOS LINGUÍSTICOS E LITERÁRIOS 2024-01-18T10:06:33-03:00 José Veranildo Lopes da Costa Júnior joseveranildo@ccae.ufpb.br Márcia Tavares tavares.ufcg@gmail.com <p>Neste ano de 2023, a <em>Revista Leia Escola</em> [RLE], um periódico do Programa de Pós-Graduação em Linguagem e Ensino da Universidade Federal de Campina Grande celebrou inúmeras conquistas, dentre as quais destaca-se o conceito A4 atribuído pela Capes. Evidentemente, o qualis por si só não é capaz de representar o trabalho árduo dos/as editores/as, do comitê científico, dos/as pareceristas, dos/as revisores que se comprometem a fazer da <em>Revista Leia Escola</em> [RLE] um periódico de excelência no âmbito dos Estudos da Linguagem em interface com o ensino. No Brasil, editores/as de periódicos vinculados/as ao sistema de ensino superior público têm enfrentado o desafio, inclusive, de natureza ética de se afastar dos métodos de publicação das revistas predatórias. Neste ano, a <em>Revista Leia Escola</em> [RLE] publicou três números temáticos e um número especial. Todos os textos publicados passaram por sérios processos de avaliação, o que demonstra o nosso compromisso com a publicação de manuscritos que realmente tragam alguma contribuição para a nossa área de pesquisa.</p> 2024-01-18T00:00:00-03:00 © 2024 Revista Leia Escola