LETRAMENTO CIENTÍFICO, MULTILETRAMENTOS E DEFICIÊNCIA VISUAL

REFLEXÕES SOBRE A ADAPTAÇÃO DO GÊNERO MEME

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8022097
Palavras-chave: Letramento Científico, Multiletramentos, Genêro textual meme, Deficiência visual

Resumo

As novas tecnologias digitais têm trazido mudanças no paradigma comunicativo, pois permitem reunir, em um só texto, várias formas de expressão, tais como o texto verbal, o som e a imagem. Consequentemente o conceito de multiletramento assume espaço nas discussões voltadas às práticas pedagógicas, já que os gêneros textuais, concebidos como fenômenos sociais e históricos, não ficam imunes aos avanços tecnológicos e à presença da tecnologia digital. Nesse sentido, propõe-se, como suporte ao trabalho pedagógico focado no letramento científico de alunos com deficiência visual, o gênero textual meme. O trabalho com gêneros textuais faz-se campo fértil, uma vez que se relacionam diretamente às práticas sociais desenvolvidas pelos alunos. A reflexão consiste em como fazer com que textos multissemióticos como o meme tornem-se acessíveis a alunos cegos, que não têm percepção visual dos elementos imagéticos que o compõem. Realizou-se uma análise do Manual de Adaptação de Textos para o Sistema Braille (GEPA, 2019), produzido e disponibilizado pelo Instituto Benjamin Constant, considerando os critérios específicos para adaptação do gênero tirinha como ponto de partida para possíveis critérios de adaptação do meme, com foco no letramento científico dos alunos com deficiência visual. São apresentadas quatro propostas de adaptação do gênero meme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, P. M; SANTOS, A. P. M; FERREIRA, F. C; VALE, H.C. Inclusão Escolar: O Sistema Braille na Adaptação de Livros Didáticos e Paradidáticos. I Seminário Internacional de Inclusão Escolar: práticas em diálogo. UERJ, 2014. Disponível em http://www.cap.uerj.br/site/images/stories/noticias/18-barbosa_et_al.pdf Acesso 05 abr 2021.

BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. 6 Ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/ Acesso: 01 set. 2020.

___________. Ministério da Educação. Publica o Projeto Político Pedagógico (PPP) do Departamento de Educação (DED) do Instituto Benjamin Constant (IBC). Portaria n. 55, de 27 de dezembro de 2022.

CAMARGO, E. P. A comunicação como barreira à inclusão de alunos com deficiência visual em aulas de mecânica. Revista Ciência & Educação, v. 16, n. 1, p. 259-275, 2010. Disponível em https://www.scielo.br/j/ciedu/a/XKszYsXHYc9znm7wsDmvPLD/?format=pdf Acesso 31 mai 2022.

___________. Saberes docentes para a inclusão do aluno com deficiência visual em aulas de física [online]. São Paulo: Editora UNESP, 2012. Disponível em https://static.scielo.org/scielobooks/zq8t6/pdf/camargo-9788539303533.pdf Acesso 17 fev 2022.

DELIZOICOV, D; ANGOTTI, J; PERNAMBUCO, M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3 Ed. São Paulo: Cortez, 2009.

GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM ADAPTAÇÃO (GEPA). Manual de Adaptação de Textos para o Sistema Braille. Coleção Caminhos e Saberes. Rio de Janeiro: Instituto Benjamin Constant, 2019. Disponível em https://blogibcgepa.files.wordpress.com/2021/03/manual_de_adaptao_de_textos_para_o_sistema_braille-1.pdf Acesso 17 fev 2023.

GUERRA, C., BOTTA, M. G. O meme como gênero discursivo nativo do meio digital: principais características e análise preliminar. Domínios de Lingu@gem, vol. 12, n. 3. Uberlândia: jul. - set. 2018. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/download/40639/24002/ Acesso 27 out 2020.

KLEIMAN, A. B. Leitura e prática social no desenvolvimento de competências no ensino médio. In: Bunzen, C. & Mendonça, M. (Orgs.). Português no ensino médio e a formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

KOCH, I. V., ELIAS, V.M. Ler e escrever: estratégias de produção textual. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2015.

LIMA-NETO, V. Meme é gênero? Questionamentos sobre o estatuto genérico do meme. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n (59.3): 2246-2277, set./dez. 2020. Disponível em https://www.scielo.br/j/tla/a/XGJdRy4CyYRPMMTVQbgh38g/ Acesso 27 mai 2023.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

___________. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In MARCUSCHI, L.A. e XAVIER, A.C. (Orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

NASCIMENTO, F.; FERNANDES, H. L.; MENDONÇA, V.M. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.39, p. 225-249, set.2010.

ROJO, R. Modelização didática e Planejamento: duas práticas esquecidas do professor. In: KLEIMAN, A. B. (Org) A formação do Professor: Perspectivas da Linguística Aplicada. Campinas: Mercado das Letras, 2001.

___________. Multiletramentos - Entrevista com Roxane Rojo. Entrevista concedida ao Programa Pesco e Pnaic da SME Campinas, 2019. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=iDu6TvO4svU Acesso 29 out 2020.

ROJO, R.; ALMEIDA, E. M.(Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

ROJO, R. H. R.; BARBOSA, J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

Santos, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 36, 2007. Disponível em https://www.scielo.br/j/rbedu/a/C58ZMt5JwnNGr5dMkrDDPTN/?format=pdf&lang=pt Acesso 30 mai 2023.

SANTOS, W. L. P. Educação CTS e Cidadania: confluências e diferenças. Amazônia. Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 9, n. 17, p. 49-62, 2012. Disponível em https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/1647/2077 Acesso: 01 abr 2021.

SANTOS, F. M. T.; GRECA, I. M. Metodologias de Pesquisa no Ensino de Ciências na América Latina: como pesquisamos na década de 2000. Ciência & Educação, v. 19, n. 1, p. 15-33, 2013. Disponível em https://www.scielo.br/j/ciedu/a/6xvksKMyjXShZHNTqGyt6LF/?format=pdf Acesso 17 fev 2022.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização Científica: Uma Revisão Bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências. Porto Alegre, v. 16(1), p. 59-77, 2011. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID254/v16_n1_a2011.pdf Acesso 17 fev 2022.

SILVA, A. A. Memes Virtuais: Gênero do Discurso, Dialogismo, Polifonia e Heterogeneidade Enunciativa. Revista Travessias, vol 10. n.3. 28ed, 2016. Disponível em http://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/download/15111/10559 Acesso em 8 out 2020.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. São Paulo: Autêntica, 1999.

Downloads

Publicado em

10 de junho de 2023

Como Citar

LOPES , M. M. F. .; VIEIRA , V. da S. . LETRAMENTO CIENTÍFICO, MULTILETRAMENTOS E DEFICIÊNCIA VISUAL: REFLEXÕES SOBRE A ADAPTAÇÃO DO GÊNERO MEME . Revista Leia Escola, Campina Grande, v. 23, n. 1, p. 174–197, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8022097. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/730. Acesso em: 22 maio. 2024.

Seção

Dossiê