A poesia de Márcia Kambeba e sua recepção no contexto escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10439340
Palavras-chave: 18th and 19th centuries

Resumo

Em pleno século XXI, a ausência de conhecimento sobre os povos originários em sala de aula ainda é um mobilizador do preconceito, da falta de respeito e escassez do reconhecimento da cultura dos ancestrais. Para muitos, persiste a imagem do estereótipo indígena que foi retratado desde a época colonial, por isso, é essencial desmistificar esta imagem levando para as escolas a cultura indígena através da literatura escrita pelos próprios nativos. O objetivo deste artigo é refletir sobre a produção da poetisa indígena Márcia Kambeba, bem como apresentar uma vivência com alguns de seus poemas no contexto escolar. Desta forma, apontamos um caminho para o atendimento da lei federal nº 11.645/2008, que torna obrigatório o ensino da cultura dos povos originários na escola. Nosso trabalho fundamenta-se em Gomes (2012), Silva (2012), Graúna (2013), Silva (2014), Potiguara (2019), Bergamaschi (2012), entre outros. A experiência de leitura da poesia indígena em sala de aula favoreceu uma mudança na visão dos alunos sobre os povos originários. Houve um reconhecimento de visões preconceituosas que circulam, bem como um maior interesse pelas diversas manifestações culturais dos indígenas brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catharie Brandão de Souza, UFCG

Catharie Brandão de Souza é natural de Feira de Santana-BA, professora de Língua Portuguesa. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Linguagem e Ensino - PPGLE-UFCG (2021); Especialista em Educação Infantil e Alfabetização (2022); Graduada em Letras/Português pela UFCG (2018); Graduanda em Pedagogia na faculdade Unifatecie (2023). Atuou como professora no Ensino Fundamental e Médio na Educação Básica no Estado da Paraíba em linguística e literatura (2018-2022).

José Helder Pinheiro Alves, Universidade Federal de Campina Grande

Graduado em Letras pelas Faculdades Integradas de Uberaba (1983),
Mestre em Letras (Literatura brasileira) pela Universidade de São Paulo (1992),
Doutor em Letras (Literatura brasileira) pela Universidade de São Paulo (2000),
Pós-doutor pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004).

Referências

BERGAMASCHI, Maria Aparecida. GOMES, Luana Barth. A temática indígena na escola: ensaios de educação intercultural. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 53-69, 2012.

CANDIDO, Antônio. O direito à literatura. In: ___. Vários Escritos. 5 ed. Rio de

Janeiro: Ouro sobre azul/ São Paulo: Duas Cidades, 2011.

CABRAL, Uberlândia. GOMES, Irene. Brasil tem 1,7 milhão de indígenas e mais da metade deles vive na Amazônia Legal. Agencia IBGE, 2023. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/37565-brasil-tem-1-7-milhao-de-indigenas-e-mais-da-metade-deles-vive-na-amazonia-legal#:~:text=Em%202022%2C%20o%20n%C3%BAmero%20de,da%20popula%C3%A7%C3%A3o%20total%20do%20pa%C3%ADs. >. Acesso em: 25/05/2023.

GRAÚNA, Graça (2013). Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza.

INSTITUTO Pró-Livro (IPL), Itaú Cultural e IBOPE Inteligência. Retratos da leitura no Brasil. 5º edição. 2020. Disponível em: < https://www.prolivro.org.br/wp-content/uploads/2020/12/5a_edicao_Retratos_da_Leitura-_IPL_dez2020-compactado.pdf > . Acessado em 12 de dezembro de 2022.

KAMBEBA, M. W. Ay Kakyritama: eu moro na cidade. 2. ed. São Paulo: Polén, 2018.

KAMBEBA, Márcia Wayna. O lugar do saber ancestral. São Leopoldo: Casa Leiria, 2021.

LEMOS, Roma Gonçalves. A Literatura Infanto-Juvenil Indígena na Educação: Desafios e perspectivas. letra indígena. v.1, n.1, 2012. São Carlos:SP: Universidade Federal, laboratório de linguagens leetra. pag. 77. Disponível em: < https://issuu.com/grupo.leetra/docs/leetra_vol1> . Acessado em 15 de novembro de 2022.

POTIGUARA, Eliana. Metade cara, metade máscara / Eliane Potiguara. Rio de Janeiro, RJ – 3º Edição revisada – Grumin, 2019.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Casa Civil. Planalto, 2008. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm >. Acesso em: 20 de julho de 2023.

RUTHERFORD, J. (org.). Identity: community, culture, difference. Londres: Lawrence and Wishmt, 1990.

SILVA, Márcia Vieira da. Reterritorialização e identidade do povo Omágua- Kambeba na aldeia Tururucari- Uka. 2012. 175 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade

SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais/ Tomaz Tadeu da Silva (org). Stuart Hall, Katryn Woodward. 15. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado em

30 de dezembro de 2023

Como Citar

SOUZA, C. B. de; PINHEIRO, J. . A poesia de Márcia Kambeba e sua recepção no contexto escolar . Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 12, n. 3, p. 181–197, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10439340. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/2128. Acesso em: 19 abr. 2024.

Seção

Artigos de temas livres