Decolonialidade e ensino de línguas: perspectivas e desafios para a construção do conhecimento corporificado no cenário político atual

Autores

  • Fernando da Silva Pardo Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Decolonialidade, Políticas educacionais, Formação de professores, Conhecimento corporificado, Ensino de línguas

Resumo

DOI: https://dx.doi.org/10.35572/rlr.v8i3.1422

Este trabalho tem como objetivo refletir sobre as recentes políticas públicas e educacionais brasileiras e a tentativa de naturalização da ideologia dos grupos dominantes, em detrimento à legitimação da pluralidade epistemológica de grupos marginalizados e/ou contrários a tal pensamento uniformizador. A partir das teorias de decolonialidade (CASTRO-GÓMEZ; GROSFOGUEL, 2007; LANDER, 2005; MIGNOLO, 2009; MORENO, 2005; SOUSA SANTOS, 2010), discuto as relações de submissão, subordinação e exclusão promovidas pelas políticas educacionais recentes. Em seguida, busco problematizar o papel da educação para o desenvolvimento da criticidade e da construção do conhecimento corporificado, isto é, construído a partir de corpos atravessados por diferentes identidades culturais, sociais, linguísticas, de raça e de gênero, e concluo ressaltando a importância do ensino da língua inglesa como uma tarefa política que desenvolva o questionamento, o pensamento crítico e o respeito à diversidade epistemológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando da Silva Pardo, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês (2018), pelo Departamento de Letras
Modernas da Universidade de São Paulo (USP); Docente na área de Letras/Inglês do Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, campus Cubatão.

Referências

BIESTA G. J. J. A Pedagogy of Interruption. In: BIESTA G. J. J. Good education in an age of measurement: Ethics, politics, democracy. Boulder, CO: Paradigm Publishers, p. 73-91, 2010.

BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Linguísticas. São Paulo: EDUSP, 1996.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

CHUN, C. W. The ‘neoliberal citizen’: Resemiotizing globalized identities in EAP materials. In: GRAY, J. (Ed.). Critical perspectives on language teaching materials. Hampshire, England: Palgrave Publishers, p. 64-87, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

JESUS, D. M. Letramentos para as diferenças: minhas histórias e meus sentidos como docente nos estudos das linguagens. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V.P.; MONTE MÓR, W. Perspectivas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras/es universitárias/os de inglês. São Paulo: Pá de palavra, 2018.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO, p. 8-22, 2005. Disponível em: [http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/] Acesso em 28 abr. 2019.

MIGNOLO, W. D. Epistemic Disobedience, Independent Thought and De-Colonial Freedom. Theory, Culture & Society. Vol. 26 (7–8). Los Angeles, London, New Delhi, and Singapore: SAGE. p. 1-23, 2009. Disponível em: [https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0263276409349275] Acesso em: 02 mai. 2019.

MONTE MÓR, W. Letramentos críticos e expansão de perspectivas: diálogos sobre práticas. In: JORDÃO, C. M.; MARTINEZ, J. R.; MONTE MÓR, W. Letramentos em prática na Formação Inicial de Professores de Inglês. Campinas: Pontes Editores, p. 315-335, 2018.

MORENO, A. Superar a exclusão, conquistar a equidade: reformas, políticas e capacidades no âmbito social. In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO, p. 88-94, 2005. Disponível em: [http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/] Acesso em 28 abr. 2019.

ROCHA, C. H. Reflexões e Propostas Sobre Língua Estrangeira no Ensino Fundamental I: plurilinguismo, multiletramentos e transculturalidade. Campinas: Pontes Editores, 2012.

SIQUEIRA, S. Por uma educação linguística crítica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. Perspectivas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras/es universitárias/os de inglês. São Paulo: Pá de palavra, p. 201-212, 2018.

SOUSA SANTOS, B. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SOUSA SANTOS, B.; MENESES M. P. (Orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, p. 31-83, 2010.

VARGHESE, M.; JOHNSTON, B. Evangelical Christians and English Language Teaching. TESOL Quarterly, 41, p. 5-31, 2007. Disponível em: [https://doi.org/10.1002/j.1545-7249.2007.tb00038.x] Acesso em: 02 abr. 2019.

Downloads

Publicado em

10 de outubro de 2023

Como Citar

PARDO, F. da S. . Decolonialidade e ensino de línguas: perspectivas e desafios para a construção do conhecimento corporificado no cenário político atual. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 8, n. 3, p. Port. 200–221 / Eng. 198, 2023. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1434. Acesso em: 15 abr. 2024.

Seção

A formação de professores de línguas na contemporaneidade: cenários, desafios e possibilidades