"PASSANDO A LIMPO" UMA RESENHA

O QUE MUDA ENTRE A VERSÃO INICIAL E A FINAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10528595
Palavras-chave: Palavras-chave: Primeira e segunda versão. Interferência textual-discursiva. Resenha.

Resumo

No processo de alfabetização acadêmica (CARLINO, 2013), percebemos que, embora seja orientada a elaboração do esquema/planejamento como etapa anterior à produção textual, os alunos recém-ingressos no ensino superior possuem dificuldades em planejar seu texto, levando-nos a investigar em quais dimensões textual-discursivas a primeira versão de um texto interfere em sua elaboração final. Objetivamos, portanto, neste trabalho, analisar a influência da primeira versão do texto no favorecimento da produção da resenha de alunos de cursos distintos em uma turma de Língua Portuguesa de uma universidade federal brasileira, observando em quais dos estratos do folhado textual (BRONCKART, 1999), assim como em qual dimensão textual-discursiva, houve mais interferência entre a primeira e segunda versão da resenha, a fim de compreender a concepção desses alunos sobre planejamento textual em seu processo de ensino/aprendizagem da escrita. Teórico-metodologicamente, esta pesquisa qualitativa fundamenta-se, especialmente, nas reflexões e categorias de análise propostas por Bronckart (1999, 2006, 2022). Os resultados das análises indicam que os alunos, por não possuírem o hábito de planejarem seus escritos, ainda não conseguem perceber significativamente as diferenças entre a primeira e segunda versão de um texto.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

ARAÚJO, Antonia Dilamar. Lexical Signalling: a estudy of unspecific-nouns in book reviews. 1996. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 1996.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividades de linguagem, textos e discursos. São Paulo, Educ, 1999.

BRONCKART, Jean-Paul. Ação, discurso e racionalização: a hipótese de desenvolvimento de Vygotsky revisitada. In: MACHADO, Anna Raquel; MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles (eds.). Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. São Paulo: Mercado de Letras, 2006. p. 59-89.

BRONCKART, Jean-Paul. Teorias da linguagem: nova introdução crítica. Tradução por Luzia Bueno, Ana Maria Mattos Guimarães, Eliane Lousada [et al.]. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2022.

CARLINO, Paula. Alfabetización académica: un cambio necesario, algunas alternativas posibles. Revista Educere, v. 6, n.20, p. 409-420, jan-mar. 2003.Disponível em: https://www.aacademica.org/paula.carlino/23. Acesso em: 29 maio 2023.

CARLINO, Paula. Alfabetización académica diez años después. Revista Mexicana de Investigación Educativa, v. 18, n. 57, p. 355-381, 2013. Disponível em: https://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S140566662013000200003. Acesso em: 29 maio 2023.

CARLINO, Paula. Escrever, ler e aprender na universidade: uma introdução à alfabetização acadêmica. Tradução de Suzana Schwartz. Petrópolis, RJ, Vozes, 2017.

CARLINO, Paula. Textos em Contexto. Edição digital. Buenos Aires, Argentina: Color Efe, 2021.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, J. (org.) A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de Ana Cristina Nasser. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 295-317.

GUIMARÃES, Diana Ribeiro; NUNES, Geisiane; PEREIRA, Regina Celi Mendes. Esquema: um gênero facilitador na recepção e construção textual na universidade. Revista Leia Escola, v.17, n.12, p.42-52, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v17i2.980

HYLAND, Ken. English for Academic Purposes. In: LEUNG, Constant; STREET, Brian (eds.). The Routledge Companion to English Studies. London: Routledge, 2014. p. 392-448.

JUCHUM, Maristela. A escrita na universidade: uma reflexão a partir do que os alunos dizem em seus textos. Revista Horizontes de Linguistica Aplicada, ano 13, n.1, 2014. https://doi.org/10.26512/rhla.v13i1.1339.

KOCH, Ingedore Villaça. A coesão textual. 22.ed. São Paulo: Contexto, 2018.

MACHADO, Anna Raquel; LOUSADA, Eliane; ABREU-TARDELLI, Lília Santos Resenha. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela Rabuske. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

NAVARRO, Federico. De la alfabetización académica a la alfabetización disciplinar. In: IBÁÑEZ, Romualdo; GONZÁLEZ, Cristian (Eds.). Alfabetización disciplinar en la formación inicial docente: Leer y escribir para aprender. Valparaíso: Ediciones Universitarias de Valparaíso, 2017. p. 7-15.

OLIVEIRA, Hermano Aroldo Gois. O graduando de letras e a escrita: entre representações e vozes como espaço de ação discursiva. 2016. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Ensino) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, Paraíba, 2016.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Repensar o papel da Linguística Aplicada. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 149-166.

RUSSEL, David; FOSTER, David. Introduction: rearticulating articulation. In: FOSTER, David; RUSSEL, David (org.). Writing and Learning in Cross-National Perspective: Transitions from Secondary to Higher Education. Urbana, IL: NCTE Press/Lawrence Erlbaum Associates, 2002. p. 1-47.

Downloads

Publicado em

18 de janeiro de 2024

Como Citar

DE MELO CORDEIRO EULÁLIO, M.; MENDES PEREIRA , R. C. "PASSANDO A LIMPO" UMA RESENHA: O QUE MUDA ENTRE A VERSÃO INICIAL E A FINAL. Revista Leia Escola, Campina Grande, v. 23, n. 5, p. 03–18, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10528595. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/leia/article/view/738. Acesso em: 13 jun. 2024.

Seção

Fluxo contínuo