Bom-Crioulo de Adolfo Caminha particularidades de uma representação naturalista do homoerotismo e de sua recepção literária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10439472
Palavras-chave: Bom-crioulo, Naturalismo, Homoerotismo

Resumo

Este texto analisa a recepção ao romance naturalista Bom-crioulo do escritor cearense Adolfo Caminha e as diversas leituras que a obra tem ensejado desde sua publicação, há mais de cem anos. Buscamos compreender como a representação que a narrativa faz do homoerotismo foi determinante para despertar o interesse do público, ao mesmo tempo que causou a repulsa de parte da crítica, tanto contemporânea quanto posterior. Publicada em 1895, a narrativa se passa na Monarquia e relata o romance entre dois marinheiros, um escravo fugido e um jovem adolescente branco. Numa representação dos valores naturalistas que interpretamos como ambígua, a narrativa alterna momentos de repulsa à relação, lastreados pelo discurso científico da época, com representações tidas por vários críticos como empáticas em relação ao protagonista. Neste artigo, concluímos que essa ambuiguidade foi responsável tanto pelo interesse do público da época como pela perseguição e repúdio à obra que se prolongou por décadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cyro Nascimento, UFRN EGRESSO PPGEL

Graduação em Letras pela UFRN, mestrado e doutorado pela mesma instituição, PPGEL-UFRN, Natal-RN, Brasil. Doutor em Estudos da Linguagem, área Literatura Comparada. Pesquisador de Literatura homoerótica brasileira. Técnico Judiciário da Justiça Federal lotado em Natal-RN, empossado em janeiro de 2005.

Referências

BEZERRA, Carlos Eduardo (2006). Bom-crioulo: um romance da literatura gay made in Brazil. Rev. de Letras, nº 28, vol. 1/2, jan/dez. 2006.

BOSI, Alfredo (2006). História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 2006, 43ª ed.

CAMINHA, Adolfo (2009). Bom-crioulo. Introdução de João Silvério Trevisan. São Paulo: Hedra, 2009.

HAUSER, Arnold (1995). História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1995, 1ª ed.

HOWES, Robert (2005). Raça e sexualidade transgressiva em Bom-crioulo de Adolfo Caminha. Graphos. João Pessoa: UFPB, vol. 7, nº 2/1, 2005 – p. 171-190.

LOPES, Denílson (2002). O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

MENDES, Leonardo (2003). Naturalismo com aspas: Bom-crioulo, de Adolfo Caminha, a homossexualidade e os desafios da criação literária. Gragoatá: Niterói, UFF, n. 14, p. 29-44, 1º sem., 2003.

MISKOLCI, Richard (2012). O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil de fins do XIX. São Paulo: Annablume, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz (1992). O olhar naturalista: entre a ruptura e a tradução. Revista de Antropologia. São Paulo: USP, 1992, v. 35, p. 149-167.

SEDGWICK, Eve Kosofsky (1985). Between men: english literature and male homosocial desire. New York: Columbia University, 1985.

SOUZA, Roberto Acízelo de (2011). Uma ideia moderna de literatura: textos seminais para os estudos literários(1688-1922). Chapecó: Ed. Unichapecó, 2011.

Downloads

Publicado em

30 de dezembro de 2023

Como Citar

NASCIMENTO, C. Bom-Crioulo de Adolfo Caminha particularidades de uma representação naturalista do homoerotismo e de sua recepção literária. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 12, n. 3, p. 244–458, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10439472. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1165. Acesso em: 19 abr. 2024.

Seção

Artigos de temas livres