A construção da narrativa em textos produzidos por estudantes com e sem TDAH

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8172382
Palavras-chave: TDAH, Atenção, Linguagens, Texto, Narrativa

Resumo

Com esta pesquisa, verificamos o desempenho de estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental, divididos em dois grupos: i. sujeitos com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e ii. com alto nível de atenção e sem esse Transtorno, comparativamente, em suas produções de texto narrativo escrito, quando submetidos às mesmas condições de produção. No âmbito do texto, analisamos alguns dos aspectos de sua construção e organização, como: estrutura narrativa, percepção de elementos de um texto fonte, universo de referência, unidade temática, progressão textual, propósito comunicativo, relevância informativa, relação entre textos. O nosso propósito, com esta investigação, foi comparar o desempenho destes dois grupos de estudantes, a fim de verificar possíveis diferenças de desempenho entre eles e buscar evidências que possam explicá-las. Deste modo, buscamos responder a estas questões: há diferença no desempenho linguístico entre os estudantes com TDAH e os estudantes com nível de atenção alto? O desempenholinguístico de estudantes com TDAH é inferior ao de estudantes com nível de atenção alto? Em que medida o déficit deatenção pode contribuir para que o desempenho linguístico dos portadores de TDAH não seja eficiente? Adotamos alguns procedimentos metodológicos ligados à pesquisa quase-experimental e ligados à abordagem qualitativa de investigação. Buscamos fundamentação, basicamente, na literatura sobre o TDAH (BARKLEY, 2008, DUPAUL, George J., STONER,Gary, 2007, DSM-5) e nos estudos sobre o texto e as práticas de linguagem (BEAUGRANDE, 1997, ANTUNES 2010, BRONCKART, 1999), e na proposta de estrutura da narrativa encontrada em Labov e Waletsky (1968) e Labov (1972). Os resultados desta pesquisa evidenciam que há diferenças no desempenho entre os grupos de informantes na produção detexto escrito. Todavia, os indícios não confirmam nossa hipótese inicial de que os alunos com TDAH têm desempenhoinferior ao dos alunos sem o transtorno. Verificamos que, em alguns aspectos, o desempenho de GCA é melhor do que odesempenho de GET, mas, em outros, GET tem melhor desempenho; e há, também, desempenho idêntico em algunsoutros aspectos analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Amaral de Matos Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais

Renata Amaral de Matos Rocha se define como uma pessoa inquieta e inventadeira. Nascida nas Minas Gerais, costuma confidenciar que aprecia um bom café com pão de queijo, uma boa prosa e um bom livro, bem comoa companhia terna de seus dois filhos, Alice e Juninho. A professora conta que sua cabeça é povoada por palavras e que, delas e por meio delas, desenvolve seus trabalhos, no campo do ensino, da pesquisa e da extensão, no Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. É doutora em Estudos Linguísticos pela UFMG e atua profissionalmente como docente e pesquisadora do Núcleo de Letras, no CentroPedagógico (CP-UFMG), onde tem estudos no campo da literatura e educação antirracista, das narrativas dejovens e adultos (EJA) e das metodologias ativas no ensino de Língua Portuguesa.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM – 5 -Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad.: Maria Inês Corrêa Nascimento et al. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ANTUNES, Irandé. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

BARKLEY, R. A (org). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade – Manual para diagnóstico e tratamento. Trad.: Ronaldo Cataldo Costa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BEAUGRANDE, Robert-Alain de. New foundations for a science of text and discourse: cognition, comunication, and the freedom of access do knowledge and society. Norwood: Ablex publishing corporation, 1997.

BENVENISTE, Émile. Problemas de lingüística geral I. Trad.: Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, 1995.

BENVENISTE, Émile. Problemas de lingüística geral II. Trad.: Eduardo Guimarães.../et al./, Campinas, SP: Pontes, 1989.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 7 out. 2021.

BRICKENKAMP, Rolf. Teste d2: atenção concentrada: manual: instruções, avaliação, interpretação. São Paulo: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia, 2000.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio- discursivo. Trad.: Anna Rachel Machado e Pericles Cunha. São Paulo: EDUC,1999.

CARMARGO, Alê. A ilha [curta-metragem]. https://www.youtube.com/watch?v=oQjX19ZPbDY: OZI Escola de Audiovisual; 25/07/2009. Avi: digital, 8min49s.

COSTA VAL, Maria da Graça. Redação e textualidade. 1a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

COSTA VAL, Maria da Graça. Repensando a textualidade. In: AZEREDO, José Carlos de. Língua Portuguesa em debate. Rio de Janeiro: Vozes, 2000, p. 34-51.

DELL’ISOLA, Regina Lúcia Péret. Retextualização de gêneros escritos. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

DUPAUL, George J., STONER, Gary. TDAH nas escolas. Trad.: Dayse Batista. São Paulo: M. Books, 2007.

LABOV, William; WALETZKY, Joshua. Narrative Analysis: oral versions of personal experience. In: HELM, June. Essays on the verbal and visual arts. Seattle: University of Washington Press, 1968. p. 12-44.

LABOV, William. The transformation of experience in narrative syntax. In: Labov, William. Language in the inner city. Philadelphia: University of Philadelphia Press, 1972. p. 354-396.

KOCH, Ingedore G. Villaça. Introdução à linguística textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

KOCH, Ingedore Villaça, ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção de textual. São Paulo: Contexto, 2009.

MARCUSCHI, L.A. Linguística de Texto – o que é e como se faz. Recife: Série Debates 1, Universidade Federal de Pernambuco, 1983.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MATÊNCIO, M. L. M. Atividades de retextualização em práticas acadêmicas: um estudo do gênero resumo. Scripta, Belo Horizonte, v. 6, n. 11, p. 25-32, 2002.

MATÊNCIO, M. L. M. Referenciação e retextualização de textos acadêmicos: um estudo do resumo e da resenha. Anais do III Congresso Internacional da ABRALIN, março de 2003.

NASCIMENTO, Milton, OLIVEIRA, Marco Antônio. Texto e hipertexto: referência e rede no processamento discursivo. In: Sentido e significação. São Paulo: Contexto, 2004, p.285-299.

ORLANDI, Eni. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 1988.

ORLANDI, Eni P., LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy (orgs). Discurso e textualidade. 2 ed. São Paulo: Pontes, 2010.

RIBEIRO, Ana Elisa. Multimodalidade e produção de textos: questões para o letramento na atualidade. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 38, n. 64, p. 21-34, jan. 2013.

ISSN 1982-2014. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/3714>. Acesso em: 07 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.17058/signo.v38i64.3714.

ROCHA, Renata Amaral de Matos. A construção da narrativa em textos produzidos por estudantes com e sem TDAH. 2018. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 359p. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/LETR-B7JMFP. Acesso em: 8 abr. 2022.

SOARES, Magda. Novas prática de leitura e escrita: Letramento na cibercultura. vol. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002.

SOUZA, Cláudia M. A recepção do livro didático de português e o processo de construção da competência leitora por alunos do ensino fundamental, 2014. Tese (Doutorado em Linguística), Faculdade de Letras, Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, UFMG, Belo Horizonte, 2014.

TURNER, Mark (1991). Reading Minds: The Study of English in the Age of Cognitive Science. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Downloads

Publicado em

12 de outubro de 2022

Como Citar

ROCHA, R. A. de M. A construção da narrativa em textos produzidos por estudantes com e sem TDAH. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 11, n. 3, p. 270–303, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.8172382. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/917. Acesso em: 27 fev. 2024.

Seção

Artigos