A didatização da escrita laboral no curso de formação docente: sequência didática, aprendendo por meio de resenhas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10460210
Palavras-chave: Didatização da escrita labora, Formação docente, Sequência didática

Resumo

O domínio de um gênero é condição para empregá-lo na concretização de um projeto de discurso (BAKHTIN, 2003). Todavia, em contexto escolar, ainda vemos abordagem de ensino sem significado e de forma aligeirada, carecendo de um trabalho mais sistemático como oportuniza uma sequência didática (SWIDERSKI; COSTA-HÜBES, 2009). Nessa direção, neste artigo, refletimos sobre formação docente a partir do tratamento didático concedido ao gênero laboral sequência didática. Assim, objetivamos: 1º) Identificar processos de didatização do gênero laboral no curso Sequência Didática: aprendendo por meio de resenhas e 2º) Analisar perspectivas de formação docente que se refratam na didatização da sequência didática. Para tanto, consideramos noções teóricas sobre gênero laboral, sequência didática e paradigmas tradicional e da complexidade na educação. Quanto à metodologia, é uma pesquisa qualitativa do tipo análise documental, em cuja geração de dados, utilizamos um plano de ensino. Os resultados apontam que a didatização da sequência didática se efetiva com foco no ensino e na produção de uma resenha e não no gênero laboral em questão, como se espera em um curso de formação docente, associando teoria à prática do cursista-professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renilson Nóbrega Gomes, Universidade Federal de Campina Grande

Doutorando em Linguagem e Ensino (UFCG), Mestre em Letras (UFRN), Pós-graduado em Linguística e Literatura (UEPB), Formação do Educador (UEPB) e Linguística de Texto e Ensino (UFRN), e Graduado em Letras (UEPB). Leciona a disciplina de Língua Portuguesa na rede de ensino de Tenório-PB e na rede de ensino da Paraíba.

Williany Miranda da Silva, Universidade Federal de Campina Grande

Professora Titular da Unidade Acadêmica de Letras e membro do Programa de Pós Graduação em Linguagem e Ensino (PPGLE) da Universidade Federal de Campina Grande, na área de Estudos Linguísticos.

Referências

ARCOVERDE, M. D. de L.; ARCOVERDE, R. D. de L. A escrita como processo. Campina Grande; Natal: UEPB/UFRN, 2007.

BAKHTIN, M. A interação verbal. In.: ______. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução MachelLahud e Yara Frateschi Vieira. 6ª . São Paulo: Hucitec, 1992. p . 110 – 127.

______. Os gêneros do discurso. In.: ______. Estética da Criação Verbal. Tradução feita a partir do francês por Maria Ermantina Galvão. Revisão da Tradução Marina Appenzeller. 3ª. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. p. 277 – 358.

______. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BEHRENS, M. A; OLIARI, A. L. T. A evolução dos paradigmas na educação: do pensamento científico tradicional à complexidade. Diálogo Educ., Curitiba, v. 7, n. 22, p. 53-66, set./dez. 2007.

BEZERRA, M. A. Por que cartas de leitor na sala de aula? In.: DIONÍSIO, A. et all. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p. 208 - 216.

BRASIL. Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BRONCKART, J-P. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Tradução de Anna Rachel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas, SP, Mercado de Letras, 2006.

CAVALCANTE, I. F. Leitura e produção de textos: da leitura para a escrita. Natal: MEC/SEDIS/UFRN, 2008.

CORDEIRO, Glaís Sales. Escrevendo Narrativas de aventuras de viagens na 3ª série do ensino fundamental. In. Anais da III Conferência de Pesquisa sócio-cultural. 2000. 1 – 18 p.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWKY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 81-108.

FREITAS, Fernanda. Isabela. O. Ensinando a argumentação no Ensino Médio a partir do trabalho com artigos de opinião. 2006. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Ensino) – Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande, 2006.

GOMES, Renilson Nóbrega. A didatização do gênero carta de leitor com foco na interação: uma proposta de ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa. Dissertação (Mestrado em Letras). Currais Novos-RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2019.

KLEIMAN, A. B. Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 8, p. 409-424. 2006.

LE GOFF, J. Documento/monumento. In: Enciclopédia Einaudi. v.1. memória-história. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1997. p. 95-106.

LINO DE ARAÚJO, D. O que é (e como faz) sequência didática? In: Entrepalavras, Fortaleza - ano 3, v.3, n.1, p. 322-334, jan/jul 2013.

LOPES-ROSSI, M. A. G. Gêneros discursivos no ensino de leitura e produção de textos. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B., BRITO, K. S. (Orgs.). Gêneros textuais: reflexão e ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MOITA LOPES, L. P. Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada interdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 85-105.

PAIVA, V. L. M. O. Manual de pesquisa em estudos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2019.

PAZ, A. M. de O. A escrita processual na prática dos registros de ordem e ocorrências na enfermagem hospitalar. In: SANTOS, D. dos; GALVÃO, M. A. M.; DIAS, V. C. de A. (orgs). Dizeres díspares: ensaios de literatura e linguística. João Pessoa: Ideia, 2010. p. 150-165.

REINALDO, M. A. G. de M. A Orientação para a Produção de Texto. In: DIONÍSIO, A. P.; BEZERRA, M. A. (orgas). O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001. p. 87-100.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Porto alegre: Artes médicas, 1998.

SWIDERSKI, R. M. da S.; COSTA-HÜBES, T. da C. Abordagem sociointeracionista & sequência didática: relato de uma experiência. Línguas & Letras, vol. 10, n.18, 1º sem. 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Downloads

Publicado em

30 de dezembro de 2023

Como Citar

GOMES, R.; SILVA, W. . A didatização da escrita laboral no curso de formação docente: sequência didática, aprendendo por meio de resenhas. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 12, n. 3, p. 141–161, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10460210. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/460. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Artigos de temas livres