Sincretismo religioso e circulação de objetos transculturais: processos translatórios entre oralidade e escrita

Autores

Palavras-chave: Sincretismo religioso, Cultos afro-brasileiros, Tradução, Transferências culturais

Resumo

DOI: https://dx.doi.org/10.35572/rlr.v8i0.1585

Na primeira parte deste artigo serão abordados alguns dados sobre a diversidade religiosa brasileira, extraídos do último Censo Demográfico (IBGE, 2010), e a relação entre as estatísticas e o pertencimento étnico dos adeptos das diferentes religiões. Na segunda parte serão apresentadas informações sobre o tráfico e a escravização de africanos durante o Período Colonial, enfatizando-se o desenvolvimento do sincretismo religioso afro-brasileiro (VERGER, 1997) no que se refere à circulação de objetos culturais (ESPAGNE, 2013). Na terceira parte serão comentados exemplos da tradução francesa de termos específicos de religiões afro-brasileiras encontrados em três romances de Jorge Amado. Pretende-se, por um lado, realçar a complexidade da circulação e transferência de imagens, textos orais, objetos cúlticos etc. no processo de formação do sincretismo religioso que fez com que muitas histórias culturais se entrecruzassem; por outro lado, pretende-se destacar a problemática da tradução francesa de alguns termos oriundos desse mesmo sincretismo afro-brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tito Lívio Cruz Romão, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestre em Linguística
Aplicada/Tradução (Alemão/Francês/Português) pela Universidade de Mainz/Germersheim (Alemanha),
especialista em Interpretação de Conferências (Alemão/Português) pela Universidade de Heidelberg
(Alemanha), graduado em Letras (Francês/Inglês/Português) pela Universidade Estadual do Ceará.
Desde 1993 professor de língua e cultura alemã no Departamento de Letras Estrangeiras do Curso de
Letras da Universidade Federal do Ceará.

Referências

AMADO, J. Tereza Batista. Trad. de Alice Raillard. Paris: Stock, 1974.

______. Bahia de tous les saints. Trad. de Michel Berveiller & Pierre Hourcade. Paris: Gallimard, 1981.

______. Gabriela, girofle et cannelle. Trad. De Georges Boisvert. Paris: Stock, 1986.

BASTIDE, R. O candomblé da Bahia. Trad. Maria Isaura Pereira de Queiroz. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BOUDET, I.; AUBRÉE, M. Iemanjá, la sirène aux étoiles. Paris: Larousse, 2009.

BUENO, E. Náufragos, traficantes e degredados. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998.

CACCIATORE, O. G. Dicionário de cultos afro-brasileiros. 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

CAMINHA, P. V. A carta de Pêro Vaz de Caminha. Estudos de Manuela Mendonça e Margarida Garcez Ventura. Mafra: Mar de Letras Editora, 2000.

ESPAGNE, M. La notion de transfert culturel. Revue Sciences/Lettres, 1, 1-9 (https://journals.openedition.org/rsl/219), 2003.

HOUAISS, A. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, 2001.

KARDEC, A. O que é o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2005.

MOURA, C. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: Edunesp, 2004.

PETRUCCELLI, J. L.; SABOIA, A. L. Características Étnico-raciais da População. Classificações e identidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

PRANDI, R. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. Axé em movimento no mercado religioso: Umbanda em declínio, candomblé em ascensão. Anuac. Anno I, Numéro 2, novembre 2012, 97-109.

VERGER, P. F. Orixás. Deuses iorubás na África e no Novo Mundo. Salvador: Corrupio, 1997.

WERNER, M.; ZIMMERMANN, B. De la comparaison à l’histoire croisée. Paris : Le Seuil, 2004.Sincretismo religioso

Downloads

Publicado em

9 de outubro de 2023

Como Citar

ROMÃO, T. L. C. . Sincretismo religioso e circulação de objetos transculturais: processos translatórios entre oralidade e escrita. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 8, n. Especial, p. Port. 139–152/ Eng. 144, 2023. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1415. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Trânsitos, Trocas e Transferências culturais