TEORIA VAI, PRÁTICA VEM

O ENSINO DE ORALIDADE PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Autores

  • Renilson Gomes Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10073542
Palavras-chave: formação docente, teoria, prática, Ensino, oralidade

Resumo

Resumo: Neste relato de prática, discuto sobre formação inicial do professor de Língua Portuguesa mediante um processo didático-pedagógico que primou pela aliança entre teoria e prática, demonstrando como o ensino acadêmico poderá se efetivar compenetrado no que se realiza em sala de aula. Para tanto, sustento-me numa discussão teórica e um objeto de ensino de livro didático proposto para ser escolarizado no ensino médio, articulando conceitos teóricos à escola com a prática desse objeto (entrevista) propagada como temática de estudo na universidade. Nesse contexto, objetivo descrever práticas no ensino superior com foco no entrelaçamento teórico e prático, entre o que se discute na universidade e o que se realiza pedagogicamente na escola, pontuando possibilidades de aproximação entre as duas esferas. Teoricamente, filio-me aos conceitos teóricos sobre formação docente e ensino de oralidade, com destaque para o gênero entrevista. Quanto à metodologia, é uma pesquisa qualitativa com influência documental e interpretativa, em cuja geração de dados, utilizei um artigo científico, um capítulo de livro e uma proposta de produção de texto de livro didático. Como resultado, posso apontar que a relação de saberes teóricos com saberes práticos em contexto de formação de professor de Língua Portuguesa pode ocorrer, estabelecendo, por fim, um diálogo entre o que se discute academicamente com o que se faz escolarmente. Com essa percepção, é possível depreender que a teoria pode contribuir com uma prática mais elaborada no que toca à definição do objeto e das estratégias com foco no conteúdo a ser ensinado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CEREJA, W.; VIANNA, C.; Damien, C. Português contemporâneo: diálogo, reflexão e uso, (vol. 3). São Paulo: Saraiva, 2016.

FREIRE, Maria Maximina; LEFFA, Vilson J. A auto-heteroecoformação tecnológica. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013. p. 59-78.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e escrever: estratégias de produção textual. 2. ed. São Paulo: Contexto. 2017.

NÓVOA, Antônio. Políticas de formação: a formação para uma profissão. In: https://www.scielo.br/pdf/cp/v47n166/1980-5314-cp-47-166-1106.pdf.

PACHECO, L. P. O gênero entrevista como ferramenta de ensino em aulas de Língua Portuguesa. Linguagens & Cidadania, v. 10, n. 2, jul./dez., 2008

SAUJAT, F. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. In: In : MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004b, p. 5-34.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem ao objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Mercado de Letras, 2004, p. 61-77.

SCHÖN, D. A. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000, 256 p.

ZEICHNER, Keneth. O professor como prático reflexivo. In: A formação reflexiva dos professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

Downloads

Publicado em

5 de novembro de 2023

Como Citar

GOMES, R. TEORIA VAI, PRÁTICA VEM: O ENSINO DE ORALIDADE PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Revista 15 de outubro, Campina Grande, v. 2, n. 1, p. 124–132, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10073542. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/r15o/article/view/1093. Acesso em: 13 jun. 2024.

Seção

Relato de Experiência