ANÁLISE LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10072477
Palavras-chave: Análise linguística. Base Nacional Comum Curricular. Língua portuguesa. Práticas de linguagem.

Resumo

A Base Nacional Comum Curricular – BNCC (BRASIL, 2018), quanto ao ensino de língua portuguesa, procura estabelecer um diálogo com os documentos curriculares produzidos nas últimas décadas e, assim, passa a assumir também uma perspectiva enunciativo-discursiva da linguagem, em que o texto é a unidade de trabalho na definição de objetos de conhecimento e habilidades, considerando, para isso, a inter-relação entre os eixos de ensino: leitura, oralidade, escrita e Análise linguística/Semiótica. Considerando, pois, essa afirmação, este artigo apresenta o recorte de uma pesquisa realizada no Programa de Iniciação Científica (PIBIC/PIC/UFRPE/UAST), a qual tem por objetivo geral investigar a prática de linguagem do eixo análise linguística/semiótica na Base Nacional Comum Curricular. Especificamente, busca-se (i) analisar a natureza dos objetos de conhecimento do eixo Análise linguística/semiótica na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino fundamental (do 6º ao 9º ano); e (ii) descrever os objetos de conhecimento do eixo análise linguística/semiótica do campo de atuação na vida pública. Com base nos objetivos apresentados em (i) e (ii), propomos algumas possibilidades de atividades para o desenvolvimento dos objetos de conhecimento do eixo Análise linguística/semiótica para o currículo de língua portuguesa. Para fundamentar a escrita deste trabalho, buscamos respaldo em estudos que abordam o ensino de língua portuguesa, a exemplo de Geraldi (1997), Mendonça (2006), bem como em documentos oficiais, a exemplo da BNCC (2018), dos PCN (1998), dentre outros. Os resultados apontam, de acordo com o que propõe a BNCC, para o trabalho com a prática de análise linguística/semiótica em que as propostas pedagógicas devam priorizar os textos, pois eles refletem ações sociais historicamente situadas, que, por meio do discurso, se materializam em textos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleciano de Souza Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE

Graduando em Letras Português/Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada (UFRPE/UAST). 

Célia Maria Medeiros Barbosa da Silva, Universidade Potiguar - UnP / Universidade Federal do Rio Grande do Norte - PPgEL/UFRN

Professora Emérita da UnP. Pós-doutoranda em Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós Graduação em Estudos da Linguagem (PPgEL/UFRN).

Referências

ALVES, Carlos Eduardo B. O eixo ‘análise linguística/semiótica’ na BNCC e no Currículo de Pernambuco: presença (ou não) das orientações curriculares da rede estadual de ensino. Anais do VIII Congresso Nacional de Educação, 2022.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In. Estética da criação verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003, p. 261-306.

BAZERMAN, C. Atos de fala, gêneros textuais e sistemas de atividades: como os textos organizam atividades e pessoas. In. Dionisio, A.; HOFFNAGEL, J. (orgs). Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2005, p. 19-46.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. 3º e 4º ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasilia: MEC, 1998.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, Vozes, 2008.

CHAROUX, O. M. G. Metodologia: processo de produção, registro e relato de conhecimento. São Paulo: DVS Editora, 2004.

GERALDI, João Wanderley. Unidade básica do ensino de português. In. GERALDI, João Wanderley (org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997, p. 59-79.

HELDER, R. R. Como fazer análise documental. Porto, Universidade de Algarve, 2006.

KOCH, Ingedore Villaça. A inter-ação pela linguagem. 10 ed., São Paulo: Contexto, 2010.

LOURENÇO, Delane Cristina Galiza; ARAÚJO, Denise Lino de. A proposta da análise linguística/semiótica na BNCC: a natureza dos objetos de conhecimento. Revista Eutomia. Recife, n. 23, 2019, p. 88-107.

MENDONÇA, Márcia. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In.: BUZEN; MENDONÇA (orgs). Português no ensino médio e formação do professor.São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 199-226.

PERNAMBUCO, Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa para o Ensino Fundamental e Médio. CAED, 2012.

SILVA, Bianca dos Santos. O tratamento da análise linguística na base nacional comum curricular. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso. Brasil.

STRAUSS, A; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. (Tradução Luciane de oliveira da Rocha). 2. ed., Porto Alegre: Artmed, 2008.

Downloads

Publicado em

5 de novembro de 2023

Como Citar

SANTOS, M. de F. S. dos; SILVA , C. de S. .; BARBOSA DA SILVA, C. M. M. . ANÁLISE LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Revista 15 de outubro, Campina Grande, v. 2, n. 1, p. 39–50, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10072477. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/r15o/article/view/856. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Dossiê