A tradução de expressões idiomáticas em tirinhas da Mafalda: no es oro todo lo que reluce

Autores

  • Bruna Camila Trombini Schneider Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC
  • Maria José Laiño Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS
Palavras-chave: Tradução, Tirinhas, Mafalda, Expressões Idiomáticas, Tradução pedagógica

Resumo

DOI: https://dx.doi.org/10.35572/rlr.v7i2.1142

Ao se deparar com um desafio tradutório, o(a) tradutor(a) deveria considerar que está diante de dois contextos, linguístico e cultural, distintos e que essas diferenças podem implicar desafios tradutórios que exijam que opte entre adequar os elementos culturais à língua de chegada ou priorizar a letra/estrutura da língua de partida. Nesse contexto, os gêneros textuais/discursivos estão imbuídos de elementos culturais, já que são frutos de um acordo social e, portanto, devem satisfazer a comunicação daquela sociedade em que circulam. Ainda, as expressões idiomáticas (EIs) também exemplificam como língua e cultura são indissociáveis, pois se constroem a partir de elementos culturais e nem sempre permitem uma tradução ao pé da letra, pois desta forma o sentido pode ser outro. A fim de investigar a tradução das EIs, este artigo objetiva verificar como os elementos culturais presentes em EIs encontradas nas tirinhas da obra do cartunista argentino Quino, Toda Mafalda (2013), foram traduzidos ao português. Como aporte teórico, temos as discussões de Marcuschi (2010), Bakhtin (2010), Ramos (2007), Costa-Hübes (2011) e Mendonça (2010) para então, a partir do recorte de 5 tirinhas e suas traduções para o português, discutir os elementos encontrados a luz da teoria de Nord (2010). Os resultados encontrados apontam que, quando alia-se língua a elementos culturais, a tradução se torna uma ferramenta determinante para ser abordada em sala de aula, explorando-a como uma prática pedagógica e de auxílio ao ensino de línguas estrangeiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Camila Trombini Schneider, Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC

Especialista em Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa. Professora Substituta do Instituto Federal
de Santa Catarina – IFSC. Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Maria José Laiño, Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS

Doutora em Estudos da Tradução. Professora Adjunta da Universidade Federal da Fronteira Sul –
UFFS. Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Referências

AUBERT, Francis H. Indagações acerca dos marcadores culturais na tradução. In: Revista de Estudos Orientais, n.5, pp.23-36, 2006.

ALVAREZ, Maria Luiza Ortiz. Traduzir uma expressão idiomática não é quebrar gralho, é descascar um abacaxi. In: BELL-SANTOS, Cynthia Ann; ROSCOE-BESSA, Cristiane; HATJE-FAGGION, Válmi e SOUSA, Germana Henriques Pereira. Tradução e cultura. Rio de Janeiro: 7letras, 2011. P, 121-140.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

COSTA, Sérgio Ribeiro. Dicionário de gêneros textuais. 2. Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. P.124-128.

COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. As marcas da interação determinadas pelo mundo discursivo: reflexões sobre o gênero história em quadrinhos. In: BORSTEL, Clarice Nadir Von. COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. Linguagem, Cultura e Ensino. Cascavel: Edunioeste, 2011, p. 171-186.

DEL DICHO AL HECHO: ANTOLOGÍA DE FRASES HECHAS Y DICHOS ESPAÑOLES. Madrid. Susaeta Ediciones S.A. 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A (11ª edição) 2006, 102 páginas.

HATJE-FAGGION, Válmi. Tradutores em caminhos interculturais – a tradução de palavras culturalmente determinas. In: BELL-SANTOS, Cynthia Ann; ROSCOE-BESSA, Cristiane; HATJE-FAGGION, Válmi e SOUSA, Germana Henriques Pereira. Tradução e cultura. Rio de Janeiro: 7letras, 2011. P. 73-88.

LAIÑO, Maria José. Multiculturalismo: propostas de recontextualizações de fatos culturais na tradução de textos em livros didáticos. (Dissertação de mestrado). Florianópolis: UFSC, 2010.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; e BEZERRA, Maria Auxiliadora (org.). Gêneros textuais e Ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010, p. 19-38.

MENDONÇA, Márcia Rodrigues de Souza. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; e BEZERRA, Maria Auxiliadora (org.). Gêneros textuais e Ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010, p. 209-224.

NORD, Christiane. Texto base – texto meta. Un modelo funcional de análisis pretraslativo. Heidelberg [s.n.], 2010.

______. La intertextualidad como herramienta en el proceso de traducción. In: Puentes, Granada, n. 9, p. 9-18, março 2010a.

______. Las funciones comunicativas en el proceso de traducción: un modelo cuatrifuncional. Em: Núcleo. nº. 27. 2010b.

______. Análise textual em tradução: bases teóricas, métodos e aplicação didática. (coordenação da tradução e adaptação de Meta Elisabeth Zipser). São Paulo: Rafael Copetti Editor, 2016.

QUINO. Toda Mafalda. Tradução de Andrea Stahel M. da Silva e outros. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

______. Toda Mafalda. 24. ed. Buenos Aires: Ediciones de la Flor, 2013.

RAMOS, Paulo Eduardo. Tiras cômicas e piadas: duas leituras, um efeito de humor. 2007. 224 f. Tese (Doutorado) - Departamento de Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

VERMEER, Hans J. Esboço de uma teoria da tradução. Edições Asa: Lisboa, 1986.

Downloads

Publicado em

14 de outubro de 2023

Como Citar

SCHNEIDER, B. C. T. .; LAIÑO, M. J. . A tradução de expressões idiomáticas em tirinhas da Mafalda: no es oro todo lo que reluce. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 7, n. 2, p. 29–57, 2023. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1532. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

A tradução e suas linguagens