O Folheto de Ambas Lisboas (1730 - 1731) e a literatura de folhetos do Nordeste: usos e apropriações

Autores

Palavras-chave: Folheto de Ambas Lisboas, Auto da Rainha Porcina, Literatura de folhetos

Resumo

DOI: https://dx.doi.org/10.35572/rlr.v8i0.1602

Desconhecido de parte da historiografia literária brasileira e portuguesa, o Folheto de Ambas Lisboas (1730 – 1731), atribuído ao editor Jerônimo Tavares Mascarenhas de Távora e a seu colaborador,Vitorino José da Costa, é objeto e corpus do presente artigo. Trata-se do primeiro periódico de humor publicado em Portugal no século XVIII. Escrito em estilo jocoso, parodiava principalmente a Gazeta de Lisboa. Inscrito no conjunto dos papeis que circulavam e tiveram grande sucesso na Lisboa do Século XVIII, o Folheto de Ambas Lisboas apresenta características semelhantes a de outros periódicos de sucesso que o sucederam, tais como: Anatômico jocoso (1755 –1758), de Frei Lucas de Santa Catarina e O Pinto Renascido Empenado e Desempenado - Primeiro Voo (1732), de Tomás Pinto Brandão. Sua fórmula editorial foi copiada em fins do século XVIII por José Daniel Rodrigues da Costa, com seu Almocreve de Petas (1798), erroneamente tomado como precursor dos folhetos humorísticos de Portugal. Esses periódicos tinham como forma principal de circulação a venda avulsa em folhetos, cujas matérias e conteúdo, em forma jocosa, dialogavam tanto com a cultura popular, quanto com os gêneros consagrados pela Retórica e Poética. Utilizando como aporte teórico o conceito de “apropriação” de Chartier (1991), este artigo demonstra, entre outros aspectos, a relação entre esse folheto português e o Auto da Rainha Porcina (1660), de Baltazar Dias. Essa relação também pode ser percebida entre a notícia da morte de uma cachorrinha presente no Folheto de Ambas Lisboas, com o cordel O dinheiro (BARROS, 1909), de Leandro Gomes de Barros, que também será aqui apontada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Socorro de Fátima Pacífico Barbosa, UFPB

Professora da UFPB, desde 1987. Ensina Literatura Brasileira no DLCV. Atualmente é Titular e atua
como pesquisadora 2 do CNPq

Suelen Oliveira de Brito, Universidade Federal da Paraíba

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Letras pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB. João
Pessoa, Paraíba, Brasil.

Referências

ABREU, M. A. Cordel português / folhetos nordestinos: confrontos, um estudo histórico comparativo. 1993. 294 f. Tese de Doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

BARBOSA, S, F, P. José Daniel Rodrigues da Costa e a imprensa periódica jocosa de Portugal do século XVIII. Gragoatá, Niterói, v.22, n. 43, p. 672-695, mai.- ago. 2017.

BARROS, L. G. O dinheiro (O testamento do cachorro). Recife: s/e, 1909. Disponível em: [http://www.casaruibarbosa.gov.br/cordel/leandro_colecao.html]. Acesso em 03 set. 2018.

BELO, A. As gazetas e os livros: a Gazeta de Lisboa e a vulgarização do impresso (1715-1760). Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 2001.

BELO, A. Notícias impressas e manuscritas em Portugal no século XVIII: horizontes de leitura da Gazeta de Lisboa. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 22, p. 15-35, jul./dez. 2004.

BLUTEAU, R. Vocabulário português & latino: áulico, anatômico, arquitetônico... Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1728. 8 v.

BRAGA, T. O povo português nos seus costumes, crenças e tradições. Lisboa: s/e, 1885, Tomo II.

BURKE, P. O que é História Cultural? Tradução de Sergio Góes de Paula. 2. ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CASCUDO, L. C. História da Imperatriz Porcina: Crônica de uma novela popular do século XVI, popular em Portugal e no Brasil. Editora: A. Pinto, 1952. Disponível em: [http://documents.tips/documents/historia-da-imperatriz-porcina.html].. Acesso em: 03 set. 2018.

CHARTIER, R. As utilizações do objecto impresso. Algés: Difel, 1988.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos avançados. São Paulo, v. 5, n. 11, abril, 1991.

CHARTIER, R. . A ordem dos livros. 2ª Ed. Brasília: Unb, 1999.

CHARTIER, R . Leituras e leitores na França do Antigo Regime. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

CHARTIER, R. Inscrever e apagar. Cultura escrita e literatura (séculos XI – XVIII). Trad. Luzmara Curcin Ferreira. São Paulo: Ed. Unesp, 2007.

CHARTIER, R. Escutar os mortos com os olhos. Estudos Avançados, São Paulo, USP, vol 24, n. 69, 2010, p.07-30.

CHARTIER, R. Cardenio: entre Cervantes e Shakespeare a história de uma peça perdida. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

COELHO, F. S. Os patriarcas de Lisboa. Recessão. Lusitania Sacra. Lisboa: Alêtheia Editores, 2ª série, tomo XXV, janeiro-junho, 2012. Disponível em: [https://books.google.com.br/books?id=_g9XksUKQRsC&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=false]. Acesso em: 04 set. 2018.

COSTA, J. D. R. O almocreve de petas, ou moral disfarçada para correção das miudezas da vida. 3 Tomos. 2ª ed. Lisboa: Of. de Simão Tadeu Ferreira, 1819.

DIAS, B. Emperatris Procina. Lisboa, por Domingos Caneyro, 1660. Disponível em: [http://bndigital.bn.gov.br/acervodigital]. Acesso: 03 set. 2018.

FOLHETO DE AMBAS LISBOAS. Lisboa Ocidental: officina da música, 1730-1731.

LISBOA, J. L. MIRANDA, T C. P. R. A cultura escrita nos espaços privados. História da vida privada em Portugal: A idade moderna. Lisboa: Temas e Debates, 2011.

MCKENZIE, D. F. Bibliography and the sociology of texts. London, The British Library, 2004.

NOBRE, I.G. Leitura a vapor: a cultura letrada na Belém oitocentista. 2009. 180 f. Dissertação de Mestrado. Instituto de Letras e Comunicação. Universidade Federal do Pará, Bélem.

PÉCORA, A. Máquina de gêneros. São Paulo: Edusp, 2001.

SANTOS, M. C e BARBOSA, S. F. P. A sátira e as técnicas retóricas nas cartas jocosas de o Almocreve de petas (1798-1799). Cadernos Literários, v. 23, n. 1, p. 60-84, 2015.

SILVA, A. M. Dicionário da língua Portuguesa composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado e acrescentado por Antonio de Moraes Silva, Lisboa, Oficina de Simão Thaddeo Ferreira, Tomo I, 1789.

SILVA, I. F. Dicionário Bibliográfico Portuguez: estudos de Innocencio Francisco da Silva aplicáveis a Portugal e ao Brasil. Lisboa: Imprensa Nacional, 1858.

SILVA, M. B. N. D. João V. Lisboa: Círculo de Leitores, 2006.

SODRÉ, N. W. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

SUASSUNA, A. O auto da compadecida. Rio de Janeiro: Agir, 1975.

TENGARRINHA, J. História da imprensa periódica portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, 1982.

TINHORÃO, J. R. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

VERRY, G. “Livros na capitania da Paraíba no século XVIII” In: BARBOSA, Socorro de F. P. (org.) Livros e periódicos nos séculos XVIII e XIX. João Pessoa: EdUFPB, 2014.

Downloads

Publicado em

9 de outubro de 2023

Como Citar

BARBOSA, S. de F. P. .; BRITO, S. O. de . O Folheto de Ambas Lisboas (1730 - 1731) e a literatura de folhetos do Nordeste: usos e apropriações. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 8, n. Especial, p. Port. 124–138 / Eng. 126, 2023. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1414. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Trânsitos, Trocas e Transferências culturais