ENTRE APAGAMENTO E MEMÓRIA

MODERNISMO ATRAVÉS DE LENTES

Autores

  • Carolina Borges Arquiteta e Urbanista, Estácio de Belém
Palavras-chave: modernismo, Preservação, documentação

Resumo

Este ensaio fotográfico foi desenvolvido com o intuito de somar aos acervos documentais de edificações do período moderno da cidade de Belém-PA; na medida em que a fotografia se faz um meio tangível de salvaguarda, e é capaz de transmitir a essência arquitetônica deste movimento através dos arranjos compostos por luz e sombra. Cada registro visual está de certa forma contribuindo para a preservação deste pedaço de história; medida esta fundamental, dado que com o passar do tempo, as cidades tendem a renovações diversas, sendo comum que ocorra o apagamento de diversos estilos arquitetônicos.

Em particular, a arquitetura modernista é uma das que mais sofrem com este fato, pois esta não costuma ser muito apreciada por sua “falta de adornos”, com isso existe a maior facilidade de vermos grande parte de seus exemplares vindo ao chão. Tendo em vista que muitas vezes estas construções transcorrem o tempo sem qualquer de tipo de documentação, criar esse copilado de fotografias com enfoque nos detalhes que fazem esses edifícios se destacarem em seu estilo único é cada vez mais necessário para fins de conscientização.

As imagens que seguem são de três edifícios distintos, tendo enfoque em seus detalhes construtivos e padrões da estética modernista paraense, detalhes estes que por muitas vezes passam despercebidos aos leigos. Estas são apenas algumas das construções emblemáticas do período moderno na capital (Belém-PA). Mesmo dentre as edificações mais conhecidas por seu valor histórico, poucas são aqueles que ainda se encontram conservadas, com poucas descaracterizações, e até mesmo com alguma preocupação de manutenção.

O estado de conservação das obras apresentadas varia, desde o mais completo abandono (INAMPS) ao uso readequado e ainda um pouco mais próximo de seu estado original. Sendo o SETRAN a única edificação dessa lista que foi tombada através do DPHAC em 2006, e o edifício Don Carlos que se encontra ainda em processo de tombamento. Na sequência será nítido que mesmo que as construções façam parte do mesmo movimento, cada um tem seu diferencial e até mesmo se assemelhando mais a outras linguagens do mesmo período como o brutalismo. O modernismo paraense tem seu toque único, e entre seus representantes mais conhecidos está Camillo Porto, autor de duas obras apresentadas aqui.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fotografias produzidas pela autora

Downloads

Publicado em

29 de março de 2024

Como Citar

BORGES, C. ENTRE APAGAMENTO E MEMÓRIA: MODERNISMO ATRAVÉS DE LENTES. Revista Arquitetura e Lugar, Campina Grande, v. 2, n. 5, p. 123–132, 2024. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/arql/article/view/2057. Acesso em: 13 abr. 2024.

Seção

Ensaios fotográficos