Ecologia de saberes na formação de professores de língua: o uso das novas tecnologias nas zonas de contato entre ensino básico e superior

Autores

  • Souzana Mizan Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
  • Yan Borgens Alcantara Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
Palavras-chave: Ecologia de saberes, Zonas de contato, Formação de professores, Novas tecnologias, Língua desterritorializada

Resumo

DOI: https://dx.doi.org/10.35572/rlr.v8i3.1460

Não é de hoje que a educação brasileira sofre ataques, mas ultimamente as críticas contra o ensino básico e superior público e a sua depreciação tornaram a educação alvo fácil da crítica social. O conhecimento produzido no ensino básico público, por um lado, é considerado ineficiente ou deficiente. Do outro lado, a universidade está perdendo sua legitimidade por causa da falta de circulação dos conhecimentos produzidos por ela (SANTOS, 2011). Essa pesquisa qualitativa de cunho etnográfico busca desenvolver novas pedagogias, novos processos de construção e de difusão de conhecimentos científicos e leigos, e novos compromissos sociais, locais, nacionais e globais a partir de criação de zonas de contato (PRATT, 1992) entre a educação básica e superior. A troca de saberes sobre o ensino de língua inglesa, essa língua desnacionalizada e desterritorializada (RAJAGOPALAN, 2004, p. 2004), torna o espaço de encontro de saberes em lugar dinâmico e rico. Assim, vemos a necessidade de fazer uma crítica ao ensino tradicional que não incorpora as novas tecnologias que fazem parte do mundo do nosso alunado sem relação à classe social que cada um pertence. A inclusão digital no sistema educacional deve levar a novas formas de aprendizagem e de ensino de línguas e tornar os educadores e os educandos não só consumidores das formas digitais de criar sentidos, mas também produtores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Souzana Mizan, Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP

Professora Doutora de Letras Inglês do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo –
UNIFESP, Guarulhos, São Paulo, Brasil.

Yan Borgens Alcantara, Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP

Graduando de Letras Inglês/Português pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, Guarulhos,
São Paulo, Brasil.

Referências

ANDERSON, B. Imagined Communities. London & New York: Verso, 1991.

ARAÚJO, Adriana da Silva. O Perigo da História Única: questões de políticas de internacionalização no Brasil, 2019, 149p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BAGNO, M. Português ou Brasileiro?: um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola Editorial, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Superior. A democratização e expansão da educação superior no país: 2003 - 2014. (Balanço Social 2003-2014). Brasília, DF, 2014. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_doc man&view=download&alias=16762-balanco-socialsesu-2003-2014&Itemid=30192.

BRASIL. Lei n. 11.096, de 13 de janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade Para Todos – ProUni, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do União, Brasília, DF, 14 jan. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11096.htm . Acesso em: 11 jun. 2019.

BRASIL. Lei N° 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm> Acesso em 11 jun. 2019.

DUBOC, A. P. M. Redesenhando currículos de língua inglesa em tempos globais. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 11, n. 3, p. 727-745, 2011.

FIRTH, A. The discursive accomplishment of normality: on ‘Língua Franca’ English and conversation analysis. Journal of Pragmatics 26, p. 237-259, 1996.

FREIRE, P. A Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GEE, J. P. Situated language and learning – a critique of traditional schooling. United Kingdom: Routledge, 2004.

JENKINS, J. Current Perspectives on Teaching World Englishes and English as a Lingua Franca. TESOL Quarterly, 40 (1), 157-181, 2006.

JORDAO, C. M. ILA - ILF - ILE - ILG: quem dá conta?. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, v. 14, n.1, p. 13-40, Mar. 2014. Disponível em . acesso em 02 de Junho 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982014000100002.

KACHRU, B. B. Standards, codification and sociolinguistic realism: the English language in the outer circle. in R Quirk & HG Widdowson (eds), English in the world: teaching and learning the language and literatures. Cambridge: Cambridge University Press, 1985, p. 11–30.

KUBOTA, R. Inequalities of Englishes, English Speakers, and Languages: A Critical Perspective on Pluralist Approaches to English. Em TUPAS, Ruanni. (ed.) Unequal Englishes: the politics of Englishes today. London: Palgrave Macmillan, 2015.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. New literacies – changing knowledge and classroom learning. United Kingdom: Open University Press, 2003.

LOPES, L. P. M. Inglês e globalização em uma epistemologia de fronteira: ideologia linguística para tempos híbridos. DELTA, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 309-340, 2008. Available from . Acesso 05 de Junho de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44502008000200006.

MIZAN, S. Língua global, identidades e saberes: encontros e fronteiras nas zonas de contato. In: Sueli Fidalgo e Neide Elias. (Org.). Cadernos de licenciatura em Letras: memória, prática e pesquisa para a docência. 1ed. São Paulo: Alameda editorial, 2017, p. 85-106.

MONTE MÓR, W., 2010. Caderno de Orientações Didáticas para EJA: Línguas Estrangeiras. São Paulo: SME/DOT/EJA Acesso eletrônico: http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/Projetos/BibliPed/Documentos/publicacoes/orienta_ing _portal.pdf

NGUGI, wa T. Decolonizing the Mind: the politics of language in African literature. Nairobi: Heinemann Kenya, 1986.

OTSUJI, E & PENNYCOOK, A. Metrolingualism: fixity, fluidity and language in flux. International Journal of Multilingualism, vol. 7, 2010, p. 240–254.

PRATT, M. L. Imperial Eyes: Travel Writing and Transculturation. New York: Routledge, 1992.

RAJAGOPALAN, K. The Concept of 'World English' and its Implications for ELT. ELT Journal, 58 (1), 2004, p. 111-117.

SAMPAIO, B. e GUIMARÃES, J. Diferenças de eficiência entre ensino público e privado no Brasil. Econ. Apl. vol.13 no.1 Ribeirão Preto Jan./Mar. 2009

SILVA, E. A. As metodologias qualitativas de investigação nas Ciências Sociais. Revista Angolana de Sociologia, 12, 2013, p. 77-99.

SIQUEIRA, S. D. P. Inglês como Língua Franca: o desafio de ensinar um idioma desterritorializado. In: GIMENEZ, T.; CALVO, L.C.S. & EL KADRI, M.S. Inglês como Língua Franca: ensino-aprendizagem e formação de professores. Campinas: Pontes, 2011.

SIQUEIRA, S. D. P. English As A Lingua Franca And ELT Materials: Is The “Plastic World” Really Melting? Eds. BAYYURT, Yasemin & AKCAN, Sumru. Current Perspectives on Pedagogy for English as a Lingua Franca. Berlin: De Gruyter Mouton, 2015.

SANTOS, B. S. A Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, B. S. O intelectual de retaguarda. Análise Social, 204, xlvii (3.º), 2012.

SANTOS, B. S. Ecologies of Knowledge & Intercultural Translation. In Epistemologies of the South: Justice against Epistemicide. Paradigm: Boulder, 2014.

SANTOS, B. S. The End of the Cognitive Empire: the coming of age of epistemologies of the South. Durham: Duke University Press, 2018.

TUPAS, R. (ed.) Unequal Englishes: the politics of Englishes today. London: Palgrave Macmillan, 2015.

Downloads

Publicado em

10 de outubro de 2023

Como Citar

MIZAN, S. .; ALCANTARA, Y. B. . Ecologia de saberes na formação de professores de língua: o uso das novas tecnologias nas zonas de contato entre ensino básico e superior. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 8, n. 3, p. Port. 170–199 / Eng. 168, 2023. Disponível em: https://revistas.editora.ufcg.edu.br/index.php/RLR/article/view/1433. Acesso em: 15 abr. 2024.

Seção

A formação de professores de línguas na contemporaneidade: cenários, desafios e possibilidades